[Revista PnP] Boletim nº 120 - Windows Vista foi projetado para dificultar a pirataria. Será que conseguiu?
Revista PnP
Mais útil que uma revista, mais atual que os livros!
Visite nosso site: www.revistapnp.com.br
Problemas de visualização desta mensagem? leia on-line
Ainda não conhece a Revista PnP? Venha conhecer e temos certeza de que gostará!
Boletim informativo nº 120 - 19/8/09
Prezado(a)

Na época do lançamento a Microsoft prometeu que a interface Aero do então novo Windows Vista traria efeitos gráficos espetaculares: uma série de efeitos visuais com janelas translúcidas, mudanças animadas entre os programas e ícones animados que mostram uma representação gráfica dos arquivos abertos. Isto tudo desde que não fosse uma cópia pirata. Além deste incentivo, o Vista trazia um novo sistema de ativação, onde o Windows pararia de funcionar dentro de 30 dias se fosse uma cópia não ativada.
Pois é, chegou a hora de analisarmos esta questão:

Windows Vista foi projetado para dificultar a pirataria. Será que conseguiu?

No final de 2004, ainda na época do Windows XP, a empresa começou a guerra anti-pirataria com o programa Windows Genuine Advantage, desenhado para verificar se uma cópia em particular do Windows é legítima. No começo era um programa opcional, mas agora a checagem anti-pirataria é obrigatória para muitos downloads disponíveis no site da Microsoft como, por exemplo, para instalar o Media Player 11 e as novas versões do Internet Explorer.

A empresa identificou no combate às cópias não-oficiais uma maneira de aumentar as vendas do Windows, mesmo levando em conta que ele já é usado em 90% dos micros ao redor do mundo (vide este artigo).

L A N Ç A M E N T O !!
Versão 2.6 do DVD de Service Packs e Utilitários para Windows da Thecnica Sistemas
A nova versão traz o SP1 e SP2 para o Windows Vista, assim como para as demais versões de Windows e de Office. Tem também diversos antivirus e utilitários para instalar no micro ou para rodar direto do DVD.
Ver mais detalhes e encomendar

Mas tudo isto pouco adiantou em termos de pirataria. Agora, mais de 2 anos após o lançamento, tanto o XP quanto o Windows Vista pirata são comuns. Os piratas conseguiram passar totalmente incólumes pelas defesas criadas pela Microsoft, e hoje qualquer camelô “especializado” em software que está nas ruas das grandes cidades oferece cópias de Windows Vista que rodam sem problema algum o Aero e todas os recursos do Windows Vista.

Como é burlado o sistema de ativação do Windows Vista?

Existem várias formas de burlar o supostamente rigoroso sistema de ativação do Windows Vista. A princípio, funciona mais ou menos como foi feito com o Windows XP, ou seja, usa-se um número de série igual àqueles fornecidos para os grandes fabricantes de computadores. Por exemplo, um destes grandes fabricantes adquire, digamos, 100.000 licenças do Windows XP. Para não ter que ficar ativando cópia por cópia, colocando um serial para cada máquina, a Microsoft fornece um número de série que vale para as 100.000 máquinas. E a cópia do Windows XP também é especial, feita especialmente para este grande fabricante e para aquele número de série. O que acontece é que esta cópia e este número de série segue caminhos obscuros e acaba caindo na mão da população, que consegue ativar seu XP normalmente. Aliás, nem é preciso mais ativar, pois todas as cópias piratas que estão por aí já foram modificadas para instalar-se já ativadas automaticamente.

Ciente deste esquema, a Microsoft resolveu dificultar as coisas quando lançou o Vista. O esquema é bem parecido com o do XP, mas tem um complicador adicional: o Vista verifica através de uma espécie de assinatura na BIOS se aquele micro que está pedindo a ativação do Windows realmente foi feito por aquele grande fabricante de equipamentos que adquiriu aquele lote de licenças. Se o micro não for daquele modelo e daquele fabricante a ativação não é feita.

Parece ser um esquema muito seguro, não é mesmo? Pois é, só parece. Os piratas logo descobriram um jeito de fazer qualquer computador fingir que é, digamos, um micro da Dell ou da Asus.

Um método mais complicado consiste em regravar o BIOS do micro colocando nele uma assinatura digital para que o micro "finja" ser algum modelo conhecido de um grande fabricante. Usa-se o número de série daquele fabricante, instala-se uma licença digital para aquela série e pronto, Windows Vista ativado!

Com o tempo, os piratas desenvolveram um método mais simples, que não precisa alterar o BIOS. Trata-se de um pequeno programa (o “Vistaloader”) a ser carregado logo na inicialização e que nada mais é do que um BIOS falso. Quando o sistema faz alguma solicitação para o BIOS, este programa intercepta o pedido e decide se encaminha ou não para o BIOS. Quando a solicitação for para ler a assinatura digital do fabricante, o programa mesmo é que responde que o micro é um determinado modelo de um grande fabricante. E assim repete-se o mesmo esquema, ou seja, o número de série será realmente daquele determinado fabricante, e o resultado é o esperado: Windows Vista ativado, para desespero da Microsoft.

Como será a ativação do Windows 7

A julgar pelas cópias de teste, o Windows 7 (“Seven”) usará o mesmo esquema de ativação do Vista, isto é, um número de série específico, uma licença digital e a checagem do BIOS do micro. Certamente a Microsoft deve refinar mais este método, deixando-o mais esperto, mas ao que tudo indica já teria vazado uma cópia de Windows 7 de um grande fabricante (provavelmente a Lenovo) e os piratas já teriam desenvolvido um esquema de ativação “alternativa” semelhante ao do Vista.

Ainda é impossível saber ao certo, mas o fato é que já existem versões do Windows 7 pirateadas e com este crack. Por enquanto são apenas para a versão em inglês e provavelmente devem estar cheios de spywares e trojans, por isso é altamente arriscado tentar experimentar uma cópia destas, sem falar que é ilegal e pode colocar o usuário em sérios apuros com a polícia e a justiça.

Aliás, por falar nisto, precisamos dizer que certamente é direito da Microsoft cobrar por seus produtos, afinal foram investidos muitos bilhões de dólares no desenvolvimento e suporte do Windows. O que sempre discordamos é do alto preço cobrado. Freqüentemente, um pacote contendo o Windows mais um Office oficial custará mais caro do que o próprio computador, o que é um claro incentivo à pirataria. A Microsoft parece que vai aliviar um pouco os termos da licença, oferecendo caixas com o Windows que permitem sua instalação em 3 ou mais máquinas, só esperamos que estes pacotes não custem igualmente 3 ou mais vezes o preço de uma licença única...

Existe muita informação sobre este assunto na Revista PnP nº 3 e na Revista PnP nº 8 (esta última está nas bancas).

Leia este artigo na íntegra no site da Thecnica Sistemas: Windows Vista foi projetado para dificultar a pirataria. Será que conseguiu?

Talvez você se interesse também pelos seguintes artigos publicados sobre o Windows Vista na Revista PnP:

NAS BANCAS — NAS BANCAS — NAS BANCAS — NAS BANCAS — NAS BANCAS

Revista PnP nº 8
Windows Vista SP2 versus XP SP3, e Tabelas de Preço

Continuando nossos relançamentos, agora é a vez da edição 8 retornar às bancas.
Esta pode ser uma oportunidade de conhecer pessoalmente esta edição, caso ainda não conheça.


O destaque desta edição são os sistemas operacionais para micros desktop, veja os assuntos abordados:
  • Lidando com o Windows Vista
  • Como ficou o Windows XP com o SP3
  • Ubuntu 8.04 -- Linux segue firme e forte
Além das três matérias especiais acima, quatro artigos passo-a-passo:
  • Colocando legenda nos filmes da internet e gravando em DVD
  • Device drivers: entendendo, instalando e copiando de micro para micro ou CD
  • Medindo o consumo de energia elétrica dos PCs
  • Montagem de tabelas de preço para oficinas de informática
Mais detalhes desta edição

Comprar exemplar avulso

Para adquirir também as edições anteriores, conheça nossos pacotes promocionais