[Revista PnP] Boletim nº 118 - Procedimentos incorretos no cabeamento de rede com par trançado
Revista PnP
Mais útil que uma revista, mais atual que os livros!
Visite nosso site: www.revistapnp.com.br
Problemas de visualização desta mensagem? leia on-line

Boletim informativo nº 117 - 31/7/09
Prezado(a)

Os cabinhos azuis usados nas redes locais estão por todo lado, e hoje em dia qualquer garoto sabe montar um cabo destes, certo? Errado. Apesar de sua aparente simplicidade, estes cabos são produto de muita tecnologia e de décadas de aperfeiçoamento para atingir altas taxas de transmissão. Com a banalização deste componente tão importante surgiram também alguns erros típicos que podem prejudicar a confiabilidade e durabilidade dos cabos e conectores. Estudemos este assunto:

Procedimentos incorretos no cabeamento de rede com par trançado

Os cabos de rede local mais comuns hoje em dia são aqueles chamados de “par trançado não blindado”, geralmente na cor azul ou cinza claro. Eles costumam ser chamados por sua abreviação em inglês, “UTP”, termo que é uma abreviação de “Unshielded Twisted Pair”. Este tipo de cabo, mostrado na figura à esquerda, é um dos fatores que possibilitaram a simplificação do processo de implantar uma infra-estrutura de rede local de computadores.. Devido à sua natureza de interligar ponto a ponto, o cabo UTP facilitou não apenas a instalação mas também a manutenção das redes. Com ele ficou fácil diagnosticar problemas referentes ao cabeamento pois é possível isolar cada um dos segmento das redes, já que cada um deles conecta uma estação da rede a um equipamento ativo (switch ou roteador). Basta ir testando segmento por segmento até achar o “culpado”. Além disso, se um determinado computador não está conseguindo se conectar a rede por causa do cabeamento, o problema fica restrito aquele segmento de cabo que o interliga a um outro dispositivo ativo.

O cabo UTP é de fácil conectorização e baixo custo de aquisição, se comparado às outras opções como os cabos blindados e a fibra ótica. Em relação às redes wireless, tão comuns atualmente, o cabo de par trançado oferece estabilidade e velocidades muito maiores (até 10 Gbps).

Porém, a aparente simplicidade dos cabos UTP esconde a necessidade de que tenhamos cuidados básicos na sua implantação. O que mostraremos aqui são os enganos e erros mais comuns cometidos na instalação de cabos UTP e o que isso pode acarretar.

Erro nº 1 — Fio rígido versus flexível

Os fios que constituem um cabo par trançado podem ser do tipo rígido ou do tipo retorcido. O tipo retorcido, também chamado de flexível, é formado pelo entrelaçamento de vários fios finos. Já o tipo rígido é constituído de um só fio. Outra característica que diferencia os dois tipos é que o rígido é mais sensível a deformações mecânicas.

Certo, mas o que tem de errado nisso? Como a maioria dos cabos UTP possui fios do tipo rígido devemos tomar alguns cuidados quando fizermos o seu lançamento nas estruturas de passagem. Além disso, muitos instaladores, por economia, compram os cabos mais baratos que encontram e estes geralmente são muito rígidos e de material vagabundo, o que aumenta muito as chances de ocorrerem problemas.

Erro nº 2 — Cabo esmagado

É muito comum vermos cabos sendo esmagados por terem sido instalados sem uma estrutura de passagem adequada como, por exemplo, para atravessar uma porta ou janela. Este é um problema típico resultante da falta de previsão para uma na passagem de cabo de um andar para o outro ou de uma sala para outra.

Esta situação faz com que no ponto de estrangulamento o cabo sofra alterações nas suas características físicas (deformação mecânica) e elétricas (problemas de diferença de impedância). Isto causará um aumento de problemas como perda de retorno (“return loss”) e atenuação (perda de inserção). O adequado nestes casos é planejar e providenciar uma estrutura de passagem adequada, usando protetores e eletrodutos para o cabo.

Erro nº 3 — Cabo passando numa área de circulação

O computador mudou de lugar e logo alguém tem aquela bela idéia de passar o cabo cruzando a área de circulação de pessoas. Para “organizar” o cabeamento algum otimista coloca fita crepe protegendo o cabo, achando que isto vai protegê-lo. Este erro tem dois problemas bem fáceis de perceber. Primeiro o cabo vai ser constantemente pisoteado, e além disso as pessoas que circulam nesta área correm o risco de tropeçar no cabo e cair, mesmo com a “providencial” fita crepe. Vale aqui o mesmo que foi dito sobre cabo esmagado: as características físicas e elétricas do cabo serão afetados e o sinal de rede que é transportado pelo cabo sofrerá mais interferências.

L A N Ç A M E N T O !!
Versão 2.6 do DVD de Service Packs e Utilitários para Windows da Thecnica Sistemas
A nova versão traz o SP1 e SP2 para o Windows Vista, assim como para as demais versões de Windows e de Office. Tem também diversos antivirus e utilitários para instalar no micro ou para rodar direto do DVD.
Ver mais detalhes e encomendar

Erro nº 4 — Cabo passando sem proteção em área externa

Este problema muitas vezes está associado à questão do cabo esmagado ao passar por portas e janelas. Os incautos passam cabos pelo lado externo da edificação sem nenhuma proteção contra a ação da chuva e do sol. A princípio não existe problema em passar um cabo pelo lado externo da edificação, desde que haja uma estrutura de passagem adequada. Porém, o que vemos são cabos passados de qualquer jeito e sem nenhuma proteção. O que vai acontecer com estes cabos é um ressecamento prematuro da capa pela ação do tempo.

Por isso, se precisar passar um cabo pelo lado externo, o correto é fazer uma estrutura de passagem que providencie uma saída organizada dos cabos e um caminho até a sua entrada novamente na edificação, usando eletrodutos e caixas de passagem e inspeção. Nada de cabos que saem pelas frestas da janela e seguem sem proteção pelo lado de fora do prédio. Novamente o que motiva este erro de instalação é a falta de planejamento de passagem de cabos entre andares ou até mesmo entre salas de uma edificação.

Erro nº 5 — A questão da vaselina, detergente, talco...

Como a maioria das edificações foi feita sem pensar nos cabos de rede, estes precisam passar por qualquer eletroduto ou buraquinho disponível. Freqüentemente passam junto com a fiação de telefone ou antena de TV ou até, infelizmente, junto da própria fiação elétrica.

O simples fato do cabo de rede passar junto com estes outros dispositivos não significa necessariamente um problema, pois a própria construção do cabo e o arranjo elétrico dos sinais foi todo projetado justamente para diminuir a interferência que possa ser gerada pelos campos eletromagnéticos que são gerados por diversos dispositivos e cabeamentos.

O grande problema de aproveitar estas passagens para o cabeamento de rede é que existem curvas e eletrodutos inadequados para ele, até porque esses eletrodutos já devem estar lotados e o cabo de rede tem que passar “espremido” no meio dos outros.

Isto leva o instalador a colocar bastante força para conseguir passar o cabo de rede, o que pode danificar sua estrutura mecânica. O resultado é a perda de sinal e pode deixar a rede com funcionamento intermitente, devido a algum componente interno danificado.

Alguns instaladores passam vaselina ou detergente para diminuir a força necessária para puxar os cabos de rede pelos eletrodutos, mas esta prática é bastante discutível. A vaselina e o detergente são componentes químicos que podem reagir com o isolamento do cabo, novamente diminuindo sua eficiência e durabilidade. O ideal seria passar algum componente neutro como, por exemplo, grafite em pó ou produtos adequados para condutores elétricos.

Erro nº 6 — Cabo muito esticado

Um erro comum encontrado nas instalações de cabeamento é achar que cabo “organizado é cabo esticado”. O esticamento acima de certo limite gera deformações mecânicas que causam problemas para a passagem do sinal de rede. Um cabo esticado sofrerá deformações pois será pressionado contra quinas e curvas das estruturas de passagem. Além disto cabos esticados na área de trabalho vão forçar as conectorizações e acabam gerando problemas de mau contato elétrico. Num cabeamento bem feito o cabo não fica muito esticado nem faz curvas brucas e está bem organizado em caixas de passagem.

Erro nº 7 — A questão da “sobra técnica”

Outro equívoco cometido em algumas instalações é apelidado de “sobra técnica”. O que é isso? Com receio de que o cabo não alcance a estação após uma mudança de lay-out, o instalador deixa uma sobra de cabo. Na figura ao lado vemos um exemplo deste problema. O que motiva a deixar este resto de cabo é, novamente, o velho problema da falta de um projeto de infra-estrutura de cabeamento. O correto é projetar e instalar diversos pontos de rede na área de trabalho. Caso um computador precise mudar de posição ele será atendido por outro ponto de rede.

Ao invés de deixar os cabos pendurados, o certo é utilizar um conector adequado em cada tomada de parede, e ligar o computador a este conector usando um “Patch Cord”. Este é um cabo de rede que usa o mesmo tipo de par trançado, só que é feito de materiais especiais que o tornam bem flexível e maleável e muito menos sujeito a se danificar.

Em suma...

O objetivo deste artigo não é criticar o trabalho de nenhum instalador de cabeamento. Sabemos que muitos destes problemas surgem da correria do cotidiano e da necessidade de sanar falhas de projeto, mas precisamos saber as implicações que estes procedimentos podem gerar. E precisamos também cada vez mais buscarmos nos qualificar para melhor prestarmos nossos serviços.

ATENÇÃO:
Leia este artigo NA ÍNTEGRA no site da Thecnica Sistemas, com mais fotos e informações.

Link direto: Procedimentos incorretos no cabeamento de rede com par trançado

Talvez você se interesse também pelos seguintes artigos publicados sobre redes locais e internet na Revista PnP:

NAS BANCAS — NAS BANCAS — NAS BANCAS — NAS BANCAS — NAS BANCAS

Revista PnP nº 5
Pane no HD!, e Gravação de DVDs personalizados

Continuando nossos relançamentos, agora é a vez da edição 5 retornar às bancas.
Esta pode ser uma oportunidade de conhecer pessoalmente esta edição, caso ainda não a tenha.
O tema de capa é Pane no HD!, onde mostramos diversas técnicas para diagnosticar e reparar estes dispositivos, com destaque também para um detalhado artigo sobre a confecção e Gravação de DVDs personalizados, além de outros assuntos interessantes. Veja os temas dos artigos:
• Pane no HD. Com proceder?
• Gerando DVDs personalizados
• A importância do aterramento
• BrasilFW, roteador e firewall
• Informatização de empresas: Internet e planejamento são fundamentais
• Manutenção de notebooks: Como entrar neste mercado?
• Técnicos de informática: A difícil convivência entre o legal e o ilegal

Mais detalhes desta edição

Comprar exemplar avulso

Para adquirir também as edições anteriores, conheça nossos pacotes promocionais

Informações sobre a revista PnP
Onde encontrar - A Revista PnP é distribuída nas bancas e grandes livrarias, em todas as capitais e nas principais cidades do interior. Se você não encontrar em sua região poderá encomendar para o jornaleiro ou então pedir seu exemplar pela Internet, no site da Thecnica Sistemas.
Assinaturas - Podem ser feitas a partir de qualquer edição. O novo assinante recebe imediatamente as edições já publicadas, cobertas pela assinatura, e as seguintes assim que forem impressas. O processo de assinatura é simples e pode ser feito aqui.
Edições avulsas - Todas as edições podem ser vistas e encomendadas no site da Thecnica Sistemas. Pagamento com boleto bancário e entrega pelo Correio.
Conteúdo das edições já lançadas - No site da revista encontra-se o conteúdo detalhado de tudo o que já foi publicado, inclusive com um PDF em alta resolução da primeira página de cada artigo.
Publicidade - Temos diversos planos, para atender sua empresa qualquer que seja o tamanho dela. Fazemos tanto mídia impressa quanto através da Internet, saiba mais.