[Revista PnP] Boletim nº 115 - Comprar roteador pronto ou fazer você mesmo?
Revista PnP
Mais útil que uma revista, mais atual que os livros!
Visite nosso site: www.revistapnp.com.br
Problemas de visualização desta mensagem? leia on-line

Boletim informativo nº 115 - 13/7/09
Prezado(a)

Os roteadores nunca foram tão baratos. Com fio ou sem fio, sempre existe um modelo que cabe no bolso de todo mundo. Mas será que estes modelos populares realmente são bons? Não estaríamos sacrificando a segurança e recursos? Não seria melhor construir nossos próprios roteadores?

Comprar roteador pronto ou fazer você mesmo?

Os roteadores fazem parte das redes desde os primórdios do protocolo TCP/IP. Foram eles que possibilitaram o aparecimento da internet e também das modernas redes locais. Estes aparelhos já foram sinônimo de modernidade e só os técnicos de redes sabiam o que eram e para o que serviam, mas hoje em dia, com a proliferação da internet em banda larga, qualquer garoto em idade escolar já sabe que um roteador é necessário para compartilhar a conexão de internet com dois ou mais computadores.

(acima)Roteador comercial típico, barato e eficiente. Mas em geral pode ser substituído com vantagens por um roteador “feito em casa” (clique para ampliar).
Certo, esta é a função mais comum dos roteadores, mas eles também estão associados a muitas outras funções especializadas como firewall, proteção antivírus, servidor DHCP (para atribuir os endereços IP para as estações), criação de sub-redes, restrição ou permissão de acesso à internet para cada estação e também ao controle do quanto da banda de internet será distribuída a cada estação da rede local, sem falar do bloqueio de sites e ações indesejáveis, serviço muito requisitado atualmente nas empresas, que querem bloquear os sites e serviços que seus funcionários acessam pela internet e que nada tenham a ver com o serviço.

O que faz um roteador

Um roteador é, antes de mais nada, um computador. Tem processador, memória e área de armazenagem, igualzinho a um microcomputador qualquer. Com o intuito de baratear o produto e facilitar para o usuário, os fabricantes de equipamentos de rede montam todos os circuitos necessários em algumas poucas pastilhas de silício (“chips”) que contêm o hardware e o software necessário para fazer o roteamento. De quebra, embutem serviços como firewall, servidor DHCP e outros.

Com esta miniaturização toda, os roteador pequenos e baratos até que fazem muito pelo que custam, mas atendem apenas a pequenas instalações domésticas de microempresas. Quem precisa de algo a mais precisa recorrer aos aparelhos melhores e que custam bem mais caro. Enquanto que um roteador doméstico custa, digamos, R$ 150, outro modelo com mais recursos ultrapassa facilmente a casa dos R$ 1.500. É o preço que se paga por ter mais segurança e recursos de configuração.

Mas ocorre que, nesta faixa de preço, torna-se mais vantajoso pegar um micro que esteja encostado e transformá-lo em roteador. Naturalmente, é preciso ter mais conhecimento técnico, mas nada que fuja ao alcance de um estudante ou usuário avançado de informática.

O sistema operacional mais utilizado nos roteadores é o Linux. Claro que se pode também utilizar o Windows Server ou até mesmo o Windows XP ou Vista, mas é um desperdício gastar tanto dinheiro e consumo de recursos do hardware num micro que ficará lá num canto, ligado apenas para conectar a rede local à internet. O Linux é utilizado desde seu início nas funções de roteamento, hoje em dia tanto os grandes servidores de internet, que interligam países e continentes, quanto modestos roteadores domésticos funcionam com variações do Unix ou do Linux, em distribuições Linux especializadas que podem ser usadas gratuitamente e, importante, perfeitamente dentro da lei.

Os roteadores comerciais nada mais fazem do que colocar estas distribuições Linux dentro de um chip, logicamente trocando os logotipos e o jeitão do software, mas no fundo é o Linux que está movendo a esmagadora maioria dos roteadores que você encontra à venda.

E aí é que nos perguntamos: se é para utilizar um software assim, preso dentro de um chip, porque não criar nosso próprio roteador, com uma distribuição escolhida a dedo e configurada nos mínimos detalhes para atender exatamente às nossas necessidades?

Customizar ou não customizar o roteador

Se o que você precisa é apenas compartilhar uma conexão de internet entre alguns poucos micros, igualmente e sem diferenciação alguma entre eles, então não há muito o que pensar: compre um destes roteadores básicos e baratinhos e pronto. De quebra, poderá até escolher um modelo wireless (“wi-fi” ou “sem-fio”) mesmo que ainda não tenha um notebook ou computador com este tipo de conexão. Afinal, a diferença de preço entre um roteador com e sem fio é mínima, coisa de 40 ou 50 reais atualmente.

Entretanto, se você precisa de recursos mais avançados como controle de banda entre as estações, firewall mais potente e restrição de acesso por máquina, por usuário ou por horário, então provavelmente você já deve considerar seriamente a possibilidade de montar seu próprio roteador.

L A N Ç A M E N T O !!
Versão 2.6 do DVD de Service Packs e Utilitários para Windows da Thecnica Sistemas
A nova versão traz o SP1 e SP2 para o Windows Vista, assim como para as demais versões de Windows e de Office. Tem também diversos antivirus e utilitários para instalar no micro ou para rodar direto do DVD.
Ver mais detalhes e encomendar

Qualquer distribuição Linux moderna já oferece a configuração automática do serviço de roteamento. Basta ter um micro com duas placas de rede, sendo que uma delas fica para a conexão de banda larga e a outra liga a rede local. O roteamento feito com Linux é que vai distribuir o sinal de internet para todas as estações da rede local.

Este é um arranjo simples e que funciona muito bem, com a vantagem de que você pode começar a estudar o sistema de roteamento do Linux e aprender a fazer suas próprias configurações, seja editando diretamente os arquivos que armazenam os parâmetros, seja utilizando algum software auxiliar para esta finalidade, como o FWBuilder, Showall, FireHOL, GuardDog e Firestarter. Este último, em especial, é o gerenciador de firewall padrão do popular Ubuntu Linux (vide ao lado).

Quem não deseja aprofundar-se no mundo do Linux pode usar as mini-distribuições especializadas em compartilhamento de internet e firewall. Elas são pequenas, leves e feitas especialmente para esta finalidade. Respondendo a algumas poucas perguntas você terá sua conexão devidamente compartilhada e com aquela segurança típica do Linux. Nada de vírus, worms e spywares atacando o sistema operacional, pois o roteador conterá apenas e tão somente o software necessário.

Roteadores baratos versus BrazilFW

O BrazilFW já foi citado diversas vezes na Revista PnP e, em especial, na Revista PnP nº 5 onde temos um artigo completo mostrando passo-a-passo como montar um excelente roteador com base no BrazilFW utilizando micros tão antigos quanto os primeiros Pentium. Claro que estes micros são até raros atualmente, quase 20 anos depois de seu lançamento, mas você poderia empregar, digamos, um micro com processador K6-2 ou K6-3, um dos primeiros Athlon ou Duron ou até mesmo algum Intel Celeron ou Pentium 3. O importante é o micro estar funcionando direitinho, com seu hardware em ordem, sem oxidações ou capacitores estourados. É preciso ter um disquete (“floppy disk”) de 1.44 e, se isto for difícil, é possível utilizar um leitor de CDs para substituir o disquete.

Estas mini-distribuições Linux como o BrazilFw são bem práticas mas, para aqueles que já conhecem melhor o Linux, o ideal mesmo é instalar uma distribuição completa, como as já citadas Mandriva ou Ubuntu, por exemplo, e configurar mais detalhadamente os serviços de roteamento.

Seja como for, mini-distribuição ou distribuição Linux completa, seja com o próprio Windows, o importante é que o técnico de informática saiba que é possível e desejável livrar-se dos roteadores domésticos baratinhos e, geralmente, de qualidade sofrível que invadiram o mercado e que viraram sinônimo de “compartilhamento de internet”. Em muitos casos é melhor construir um roteador completo e ganhar mais recursos, versatilidade e segurança.

Leia este artigo na íntegra, com mais detalhes e ilustrações no site da Thecnica Sistemas:
Comprar roteador pronto ou fazer você mesmo?

Talvez você se interesse também pelos seguintes artigos publicados sobre redes locais e internet na Revista PnP:

NAS BANCAS — NAS BANCAS — NAS BANCAS — NAS BANCAS — NAS BANCAS

Revista PnP nº 13
Manutenção de notebooks

A mais recente edição da PnP está nas melhores bancas de todo o Brasil
O tema de capa é a Manutenção de notebooks, tendo também outros assuntos igualmente atuais e importantes:
Windows versus Linux – Como anda esta briga?
Entendendo os roteadores – Como funcionam, como interligar
Redes wireless – Problemas e dúvidas mais comuns
Matemática financeira na prática – Como lidar com os juros em seu benefício
O lado ruim da internet – E como está influenciando as pessoas

Mais detalhes desta edição

Comprar exemplar avulso

Para adquirir também as edições anteriores, conheça nossos pacotes promocionais

Revista PnP nº 4
Reparaçao de placa-mãe

Continuando nossos relançamentos, agora é a vez da edição 4 retornar às bancas. O tema de capa é a Reparação de placa-mãe, além de outros assuntos interessantes:
• Instalação profissional do Windows XP e Vista
• Reparação de placa-mãe
Outros temas detalhados nesta edição:
• Controle de temperatura nos PCs
• Administração de redes com scripts
• Entendendo os endereços IP
• Curso técnico, superior ou certificação?
• Como fazer e-mail marketing, com eficiência e sem SPAM

Mais detalhes desta edição

Comprar exemplar avulso

Para adquirir também as edições anteriores, conheça nossos pacotes promocionais

Informações sobre a revista PnP
Onde encontrar - A Revista PnP é distribuída nas bancas e grandes livrarias, em todas as capitais e nas principais cidades do interior. Se você não encontrar em sua região poderá encomendar para o jornaleiro ou então pedir seu exemplar pela Internet, no site da Thecnica Sistemas.
Assinaturas - Podem ser feitas a partir de qualquer edição. O novo assinante recebe imediatamente as edições já publicadas, cobertas pela assinatura, e as seguintes assim que forem impressas. O processo de assinatura é simples e pode ser feito aqui.
Edições avulsas - Todas as edições podem ser vistas e encomendadas no site da Thecnica Sistemas. Pagamento com boleto bancário e entrega pelo Correio.
Conteúdo das edições já lançadas - No site da revista encontra-se o conteúdo detalhado de tudo o que já foi publicado, inclusive com um PDF em alta resolução da primeira página de cada artigo.
Publicidade - Temos diversos planos, para atender sua empresa qualquer que seja o tamanho dela. Fazemos tanto mídia impressa quanto através da Internet, saiba mais.