[Revista PnP] Boletim nº 180 - Como saber se um cabo muito longo ou deteriorado está causando falta de conexão na rede
Logo Revista PnP Montagem • Instalação • Manutenção
PCs • Redes • Internet

Mais útil que as outras revistas, mais atual que os livros
Boletim informativo nº 180 - 01/04/2011 Visite nosso site: www.thecnica.com
Ainda não conhece a Revista PnP? Venha conhecê-la e temos certeza de que gostará!

Prezado

Os problemas trazidos pelos leitores freqüentemente nos fazem pesquisar para encontrar a solução, e neste boletim vamos trazer uma destas situações. O leitor fez o seguinte relato:

“Divido a minha conexão DSL com mais três vizinhos mas, já há alguns dias, um deles não consegue mais navegar. Analisando o caso, observei que no status da conexão do micro dele com Windows 7 a velocidade é de 10 Mbps ao invés dos esperados 100 Mbps. O comprimento do cabo é de 75metros, sendo que o cabo é colocado dentro de um cano de plástico. Poderia este cabo estar corrompido ou ter algum fio desencapado, o que estaria causando a diminuição da velocidade?”

Alisando o relato do leitor (vide a íntegra do relato usando o link abaixo) notamos que seria o caso de nos perguntarmos:

Como saber se um cabo muito longo ou deteriorado está causando falta de conexão na rede?

Pelo que foi descrito pelo leitor existe um problema no cabeamento, na conectorização ou na emenda de cabo. O testador de cabos é importante para fazer uma boa avaliação e tirar a dúvida. Para saber como ele funciona, uma vez que o leitor tem dúvidas do funcionamento do aparelho, sugerimos adquirir um cabo pronto (“patch cord”) de boa qualidade e fazer o teste nele. Deverá ser percebido que as luzes são acesas na ordem exata. Ao testar o cabo suspeito, as luzes deverão acender da mesma forma.

Pacotes promocionais da Revista PnP O cabo e sua conectorização são os principais suspeitos de estar causando o problema de conectar a rede local a 10 mbps. O que me leva a afirmar isto é o fato da rede estar conectando em 10 mbps no micro do vizinho, indicando falta de padronização na conectorização. Na hora de testar o cabo, começar o teste no primeiro os dois segmento emendados, ou seja, testando o trecho que vai do roteador até o ponto da emenda, e depois testar o trecho da emenda até o ponto de rede do vizinho. Se tudo estiver correto, refazer a emenda e testar de novo, desta vez de ponta a ponta. O resultado deve ser sempre o mesmo, ou seja, as luzes do testador devem ficar acendendo da mesma forma que ocorreu ao testar o patch cord, na mesma seqüência.

Mas não acreditamos que a falta de conexão à internet do vizinho seja devido a isto. O mais provável é que, pela distancia de 75 metros, o cabo seja de qualidade baixa ou esteja oxidado internamente, o que diminui o sinal de tal forma que o micro não consegue fazer a conexão à rede. Para saber se é o cabo de baixa qualidade é preciso fazer um teste desligando o cabo nas duas pontas. Depois dê um curto circuito em um dos pares da rede, por exemplo, o laranja/branco-laranja, e medir a resistência elétrica deste par na outra ponta, neste mesmo par. Pode ser preciso retirar os conectores para descascar os conectores e fazer a emenda e a medição.

A resistência medida deve ser baixa, digamos, no máximo de 40 Ohms. Esta resistência é calculada da seguinte forma: a norma ANSI/TIA/EIA-568-A estabelece que um cabo CAT deve ter resistência ôhmica de no máximo 0,188 Ohms/m. Mas este parâmetro vai ser atingido apenas e tão somente com cabos de excelente qualidade. Só para tirar uma conclusão prática, medimos a resistência de diversos tipos de cabos que temos em nosso laboratório, e entre cabos novos e velhos (com mais de 5 anos), todos de boa qualidade, obtivemos valores entre 0,20 a 0,25 Ohms/m. Adotemos portanto um valor pessimista de 0,25 Ohms/m para fazermos os cálculos. Assine a Revista PnP!

A norma admite um comprimento máximo de 100 metros, mas na prática sabe-se que é possível chegar a até 150 metros com um cabo de boa qualidade. Isto representa uma resistência ôhmica de 150 x 0,25 = 37 Ohms, que acreditamos pela prática ser mesmo a resistência máxima que se deve admitir no cabo.

Como no caso do leitor o comprimento do cabo é de 75m temos portanto que a resistência de ponta a ponta deve ser de 75x0,25 = 18 Ohms. Como estamos dando curto-circuito em uma ponta e medindo na outra estamos, na verdade, com o dobro do comprimento, portanto a resistência deveria ser de 36 Ohms no máximo, para ficar dentro da norma, ou, aproximadamente, os 40 Ohms de que falamos. Se esta condição não for atingida significa que o cabo deve ser trocado por um de melhor qualidade. Outra opção é fazer a interligação deste trecho mais longo usando fibra ótica ou um link wireless, conforme o que foi explicado na seção Correio Técnico da Revista PnP nº 20 (vide box ao lado).

Obviamente, a resistência elétrica do cabo é apenas um dos parâmetros para identificar se o cabo está ou não em bom estado. O tipo de material, a quantidade de curvas e a maneira como as curvas foram feitas, a qualidade da conectorização e muitos outros fatores podem influir na obtenção da verdadeira resistência elétrica, que é denominada “impedância”, que é resultado não só da resistência ôhmica mas também da indutância e capacitância inerentes a todo elemento eletrônico que transporta sinais em corrente alternada. Entretanto, a resistência elétrica é um bom parâmetro para avaliarmos se o cabo está em más condições. Isto porque, se a resistência for acima do previsto, isto será sinal seguro de que o cabo precisa ser substituído.


Leia esta notícia em nosso site: Cabo muito longo ou deteriorado pode causar perda de conexão na rede local. Mas como saber?


Veja também estes artigos sobre redes e internet publicados em diversas edições da Revista PnP:
Revista PnP nº 20 - Roteador: configuração básica e avançada
Revista PnP nº 19 - Introdução ao projeto de CFTV
Revista PnP nº 19 - Conectando estações Linux no Active Directory
Revista PnP nº 18 - Cabeamento integrado: rede com telefone
Revista PnP nº 18 - O básico do HTML
Revista PnP nº 17 - Windows Server 2008RTM e R2 - Introdução às principais funções
Revista PnP nº 17 - Servidores: o valor da alta disponibilidade
Revista PnP nº 14 - Sistemas de banco de dados para microcomputadores
Revista PnP nº 13 - Redes wireless - problemas e dúvidas mais comuns
Revista PnP nº 13 - Entendendo os roteadores
Revista PnP nº 11 - Montando seu próprio servidor de FTP
Revista PnP nº 11 - Usando terminais sem HD com o Windows Server 2003
Revista PnP nº 10 - Formas de implantação de redes
Revista PnP nº 7 - Servidor LAMP para redes Windows, com Linux
Revista PnP nº 4 - Como fazer email marketing
Revista PnP nº 4 - Administração de redes com scripts
Revista PnP nº 3 - Lidando com Windows Vista e colocando em rede (serve também para Windows 7)
Revista PnP nº 3 - Rede ponto a ponto com o Windows XP
Revista PnP nº 3 - O básico das redes, tudo o que você precisa saber para começar
Revista PnP nº 2 - Servidor para rede Windows, com Linux
Revista PnP nº 1 - Web 2.0, nova versão de internet. Ou será só marketing?
Capa revista PnP 20 Roteador: Configuração Básica e Avançada
Revista PnP nº 20
Roteador: configuração básica e avançada

• Em breve estará nas bancas
• Em breve poderá ser encomendada em nosso site
• Exemplares de assinantes serão enviados em 12/04/2011 (previsão)


Esta edição tem vários assuntos interessantes, com destaque para o tema principal que vem num longo e explicativo artigo. Em suma, a nova edição da PnP traz os seguintes artigos:
.
Roteador: configuração básica e avançada
Atualizações e programas usados nas oficinas de informática
Porque não consigo um bom emprego?
Desktop ou notebook: qual é o melhor?
Implantação de Nota Fiscal Eletrônica
Traduzindo o Windows 7 para o português
Divisão de cabos de rede: ligando 2 micros em 1 único ponto
Smartphones e iPads ameaçam o predomínio do Windows?
Correio Técnico - As dúvidas mais interessantes enviadas pelos leitores
Revista PnP nº 20 em um só clique:
Pacote promocional edições 15 a 20 (de R$ 103,40 por R$ 93,00)
Outros pacotes promocionais
Fazer assinatura
Mais detalhes sobre esta edição
Ver todas as edições da Revista PnP
Versão 2.91 do DVD de Service Packs e Utilitários
Nosso tradicional DVD, utilíssimo para quem faz muitas instalações, foi atualizado e ganhou várias novidades, com destaque para:
  • Service Pack 1 para Windows 7 - O recém lançado pacote de atualizações
  • Avast Antivirus 6 - A nova versão, também lançada na semana passada
  • Windows Live (MSN) - Versões 2011 e 2009 em versão FULL (não precisa de downloads adicionais)
  • Internet Explorer 9 - Versão RC, praticamente é a versão final
  • Kaspersky Virus Removal Tool - Excelente para remover vírus a partir do próprio micro, agora em versão atualizada
  • Antivirus gratuitos - Versões novas e atualizadas
  • Combofix, para restaurar o Windows ao seu default depois de uma infecção
  • Além de todos os demais aplicativos, que foram atualizados para as versões mais recentes.
Ver mais detalhes e encomendar