[Revista PnP] Quanto cobrar para definir e instalar um novo servidor 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco

Home   Edições impressas  
Edições digitais   CDs e DVDs  
Dicas técnicas   Como comprar  
Quer colaborar?   Sugira uma matéria  
Boletins   Como é feita a Revista PnP?  
Fale conosco   Serviços ao cliente  
Erratas   Sobre a Revista PnP...  
Perguntas mais frequentes (FAQ)  
Cursos e eventos  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre Exercício Profissional
Artigo (veja mais 39 artigos nesta área)

Quanto cobrar para definir e instalar um novo servidor

Questão colocada pelo leitor


Fui solicitado para atuar como consultor junto a um cliente para definir qual servidor (hardware + software) adquirir assim como para definir as fases da mudança e implantação para um novo prédio, bem como algumas outras soluções necessárias para o funcionamento do operacional. O que me traz dúvida é se devo cobrar por este serviço por hora/homem, já que é muito difícil definir antes a carga de horas gastas para tal serviço, ou então cobrar um valor fechado. Será que vocês poderiam ajudar? Inclusive, se for possível, indicando qual método de cálculo usar nessas horas?


Nossa respostaNo final das contas, para toda empresa de prestação de serviços o que vai importar mesmo é o quanto a foi faturado no final do mês, porque as contas vencem impreterivelmente nesse período como é o caso de aluguel, combustível, água, luz, impostos, alimentação e muitas outras. Até mesmo as contas que são pagas com base anual devem ser rateadas para saber seu custo mensal, pois no dia do pagamento o dinheiro precisa estar disponível. Este é o caso de gastos anuais como IPTU, IPCA, contribuição sindical, imposto de renda e outras.

Assim, não adianta querermos inventar uma solução diferente: prestação de serviços deve ser pago pelo tempo despendido. Este tempo pode ser medido em horas, dias, meses ou anos, o que for mais conveniente, o importante mesmo é o profissional saber que vai poder dedicar-se àquele trabalho porque no final do mês terá dinheiro suficiente para viver e pagar suas contas.

Quando existe necessidade do profissional adquirir materiais ou contratar serviços de terceiros, aí então cairemos no caso de serviço + material + terceiros + encargos, sabendo-se aí que os encargos são representados por um valor percentual que se adiciona ao total do serviço, como é o caso dos impostos, comissões de vendedores e até o próprio lucro do negócio. Tudo isto que estamos falando aqui foi explicado detalhadamente, com exemplos, na Revista PnP nº 7.

No caso específico do leitor, como ele já percebeu, é difícil especificar ao certo quanto tempo ele vai precisar dedicar-se ao trabalho. Existem algumas saídas possíveis para resolver este dilema.

A primeira delas é estabelecer um valor para a hora-técnica e colocar-se á disposição do cliente, ao final de um período pré-combinado faz-se um acerto. Por exemplo, combina-se que a hora-técnica custará R$ 100 e o acerto será feito a cada semana, mediante relatório a ser apresentado pelo contratado. Este é um esquema muito comum para serviços de consultoria e é bastante interessante pois o cliente poderá ficar à vontade para perguntar o que desejar ao profissional, e este poderá responder com tranqüilidade sabendo que estará recebendo pela transmissão de seus conhecimentos e experiência de acordo com o acordo prévio.

Contudo, no disputado mercado profissional de informática, muitos clientes parecem pensar que o conhecimento aparece na cabeça dos técnicos por uma força mágica e que por isso não tem valor algum. Assim, nem sempre se encontra clientes dispostos a pagar para ter acesso ao conhecimento e experiência de um profissional. Para contornar esta distorção têm-se duas saídas possíveis: fazer um pacote de horas ou então embutir o preço no fornecimento de um bem.

Na opção do pacote de horas, combina-se que o profissional vai dedicar-se durante tantas horas a pensar sobre uma situação, estudar o caso e apresentar um projeto ou relatório, e que isto vai ter um valor fixo, digamos, de R$ 1.000. É uma espécie de empreitada, em que o profissional precisa avaliar quanto tempo vai precisar dedicar-se e procurar ao máximo ficar dentro disso.

Na última opção o profissional também precisa fazer a avaliação acima, mas embutir o valor em cima do valor de algum serviço ou fornecimento a ser prestado. Por exemplo, o profissional avalia quanto vai custar seu trabalho de consultoria e projeto, e embute esta despesa no valor a ser cobrado quanto for efetivamente realizar o serviço de passar os cabos e fazer a configuração da rede, ou então do fornecimento de um novo servidor, como é o caso. O perigo, neste caso, é o profissional passar todas as informações que o cliente necessitava, e este contratar a execução propriamente dita com um outro profissional.

Como se vê, há muitas possibilidades, umas mais arriscadas outras menos, mas sempre haverá um risco do trabalho não ser contratado ou do profissional não ser pago como gostaria. Por isso, sabendo-se das alternativas possíveis, o melhor mesmo é usar de astúcia e intuição no momento da negociação, até encontrar um acerto que fique bom para todos.


Publicado em 17/07/2011 às 00:00 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

NOSSOS LEITORES JÁ FIZERAM 3 COMENTÁRIOS sobre este artigo:
De: euhudson (em 21/07/2011 às 13:01 hs)
Consultor
Um “consultor” pedindo consultoria à Revista PnP: triste retrato da situação da área de TI (vulgo Informática). Em tese e na prática um consultor é aquele que tem uma vasta experiência em determinado ramo o que faz as pessoas pagarem pelo seu conhecimento.
De: EVERALDO (em 21/07/2011 às 17:26 hs)
Quanto Cobrar
Estou de acordo com o colega, pois sempre tive esse mesmo problema. Sou profissional da área de TI há 15 anos. E e como o colega disse. As vezes temos que bater o pé. O problema disso tudo é que as pessoas estão interessadas no preço, na solução do sintoma e não do problema. Tudo isso devido aos curiosos fuçadores, que se julgam Técnicos em Informática. Só sabem formatar HDs e reinstalarem o Windows.
De: jose (em 29/07/2011 às 10:03 hs)
Consultor
Parece um pouco intransigente fazer uma crítica direta, citando a "situação da Informática", sendo que existe demandas de serviços de todo tamanho, e pelo que pareceu aqui, somente os "consultores muito experientes" que poderão atuar neste seguimento, impossibilitando assim o crescimento de quem está investindo na carreira. Se um profissional de TI só pegar serviços que tem "vasta experiência" ele congela a carreira.

Comente você também:

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 39 ARTIGOS SOBRE JOSE MAURO CABRAL DE SOUZA:
O futuro dos técnicos de informática: adaptar-se ou desaparecer
Começar cedo na carreira de informática é sinal de competência?
Dúvidas sobre montagem de assistência técnica de informática
Cliente não deixa retirar computador para manutenção. E agora?
Cliente quer que o técnico faça coisas impossíveis. Como fica essa situação?
Como recolocar os programas que estavam no micro antes da formatação e reinstalação do Windows?
Qual é o valor da minha hora-técnica? Como calculo isso?
Dúvida sobre como cobrar trabalhos de informática feitos para pessoas físicas
Que dicas poderíamos dar para um técnico de informática iniciante?
Qual é o melhor curso: ciência da computação, sistemas de informação ou engenharia de computação?
O técnico deve cobrar taxa de visita? E como lidar com os clientes que não pagam?
Supere a dificuldade de falar em público
Dicas para ter uma oficina de informática lucrativa
Com lidar com um chefe (ou cliente) chato?
Qual é a garantia que o técnico deve dar para troca de fonte e reformatação do HD?
O técnico de informática e a questão das cópias piratas de software
É melhor ser empregado ou ter o próprio negócio de informática ?
Férias? Oba, é hora de investir na carreira.
O Windows deveria ser banido dos concursos públicos em favor do Linux?
As coisas mudaram: pode parar de procurar “emprego”. E comece a procurar “clientes”!
As bogagens tecnológicas mais famosas... dos famosos
Quanto cobrar de mão-de-obra para migrar de Windows para Linux
Qual é a garantia da mão-de-obra para remoção de virus?
Quanto ganham os profissionais de informática na Grande São Paulo
Quer mudar de profissão? Cuidado com os enganos mais comuns!
Os maiores enganos cometidos pelos gerentes de informática
A recessão bateu na minha porta. Será a hora para mudar de emprego?
As 6 carreiras de TI mais promissoras para 2009 (e anos seguintes...)
Qual é o problema da informática nos concursos públicos?
Blu-ray está em queda livre. Como ficam os consumidores?
A questão da velocidade e performance dos discos rígidos
Windows versus Linux: mesmo Custo de Propriedade em países emergentes, segundo a Microsoft
Mãos a obra – crise é sinônimo de oportunidade
Emprego e carreira: curso técnico é o caminho mais curto para o sucesso
A questão do emprego versus faculdade versus sucesso profissional
Mercado de trabalho do profissional de TI é ruim?
Será que é justo o que estou ganhando aqui no Brasil? Veja uma pesquisa internacional de salários.
Construa sua Marca Pessoal! Seja diferente e fature com isto
A mudança na lei daria mais importância à profissão de técnico de informática?

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da informática e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: leitor@revistapnp.com.br
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.