[Revista PnP] Supere a dificuldade de falar em público 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco

Home   Edições impressas  
Edições digitais   CDs e DVDs  
Dicas técnicas   Como comprar  
Quer colaborar?   Sugira uma matéria  
Boletins   Como é feita a Revista PnP?  
Fale conosco   Serviços ao cliente  
Erratas   Sobre a Revista PnP...  
Perguntas mais frequentes (FAQ)  
Cursos e eventos  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre Exercício Profissional
Artigo (veja mais 39 artigos nesta área)

Supere a dificuldade de falar em público

Por Iberê M. Campos equipe


Num mundo globalizado e tão cheio de especializações cada vez mais as pessoas são forçadas a trabalhar em equipe, o que pressupõe expor idéias em público. Você fez um estudo sobre determinado problema e agora precisa apresentar suas conclusões para os colegas e, o pior, para seus superiores. Na hora da apresentação dá aquele “branco”, começa a suar frio e a boca trava. Fica parecendo um idiota bem ali, no palco, em frente à imagem projetada na tela onde está o nome de sua palestra. E agora? O que fazer? Se isto acontece com você, não se recrimine.

O medo de falar em público é bastante comum, e a fórmula para livrar-se disto é relativamente simples: basta seguir algumas regrinhas e praticar. Ninguém nasce sabendo, é só tentando, errando e tentando de novo que se atinge a perfeição. Se um nenê já desistisse de andar logo no primeiro tombo, então estaríamos todos engatinhando por aí... Certo, mas quais são estas regrinhas a serem seguidas? É isto o que analisaremos:

Para muita gente é extremamente difícil encarar uma platéia. Têm verdadeiro pavor, e isto acaba acarretando inúmeros problemas de comunicação. Algumas pessoas falam baixo ou alto demais, ficam artificiais, agressivas, desarticuladas. Aceleram a fala ou diminuem o ritmo até permanecer numa irritante e sonolenta monotonia. Sentem-se desconfortáveis e incompetentes para falar diante de um grupo de ouvintes, sejam estes conhecidos ou não: a questão toda é ter todos aqueles olhares inquisidores sobre si, atentos aos menores gestos, prontos para criticar e deixá-lo numa situação ainda mais constrangedora.

A tensão do momento pode agravar o maior defeito de quem fala em público, que é não saber ordenar o pensamento. Na sua imensa maioria, as pessoas não sabem iniciar, desenvolver e concluir uma apresentação. Em determinadas situações entram diretamente no assunto central sem conquistar convenientemente a platéia, isto é, antes de conquistar a atenção, a torcida e a colaboração das pessoas. Em outros momentos esforçam-se para conquistar os ouvintes quando estes já estão devidamente preparados para ouvir, correndo o risco de desinteressá-los. Muitos passam de uma etapa para outra sem nenhum critério. No momento de encerrar voltam para o início, em seguida repetem os argumentos que já haviam sido criteriosamente expostos, que começam a enfraquecer pelo excesso de repetição.

Esse é um problema muito grave, pois sem saber como elaborar o raciocínio dificultarão não apenas o entendimento dos ouvintes, como também sua própria exposição. Para não cair nesta armadilhas podemos seguir um pequeno roteiro, acompanhe:

Dicas para uma palestra bem sucedida

A seqüência é bem simples, podendo ser assimilada e aplicada apenas com um mínimo de estudo e observação. Podemos resumir tudo a três etapas principais:
1 - Conte sobre o que vai falar, e
2 – Fale.
3 – Para finalizar, conte sobre o que falou

É exatamente assim que um a boa fala deve ser esquematizada. Com essas três partes simplificadas você irá organizar e expor com tranqüilidade sua mensagem. Obviamente que este é um plano simplificado, porém é bem fácil de ser entendido. Na sua próxima apresentação procure pôr esses conceitos em prática e descubra como fica muito mais fácil abordar qualquer tipo de assunto. Embora seja muito simples assimilar a seqüência simplificada, podemos detalhar mais e diminuir as possíveis dificuldades que você possa encontrar para aplicá-la. Façamos isto então, procure esquematizar sua apresentação da seguinte maneira:

1 - Faça uma introdução correta - Para conquistar a simpatia dos ouvintes inicie fazendo alguns elogios sinceros a eles. Apresente-se demonstrando de forma gentil como está envolvido com aquele ambiente e com o tema que pretende desenvolver. Para conquistar a atenção logo nos primeiros momentos use uma frase de impacto, conte uma piada ou uma pequena história, levante uma reflexão ou mostre os benefícios que o público terá com o tema. Evite iniciar dando sua opinião sobre assuntos que possam contrariar os ouvintes. Comece concordando com os pontos comuns e depois de quebrar as resistências manifeste sua forma de pensar que pode, eventualmente, ser exatamente o oposto do que a platéia possa pensar.

2 - Prepare o assunto de forma conveniente - Comece essa segunda etapa contando qual o assunto que pretende desenvolver, o problema que deseja solucionar e as partes do assunto que tem intenção de cumprir. Conhecendo o roteiro, os ouvintes acompanharão com maior facilidade sua exposição.

3 – Cumpra tudo o que foi planejado - Desenvolva o assunto proposto, solucione o problema e cumpra as etapas prometidas. É aqui, neste momento que você irá também apresentar seus argumentos. E se encontrar resistência dos ouvintes deverá refutar essas objeções.

4 – Finalmente, a conclusão - Capriche no encerramento e reserve o momento de maior emoção para o final. Em uma frase ou duas comente qual foi assunto abordado e termine fazendo com que os ouvintes reflitam ou ajam de acordo com sua mensagem.

Na sua próxima apresentação siga estas etapas e dê maior organização a sua mensagem, o resultado poderá ser bem melhor do que você espera, e isto lhe dará mais confiança para a próxima apresentação. Afinal, é inevitável ter que falar em público, mesmo que trabalhemos sozinhos pode ser necessário falar em público para resolver nossos problemas ou para pedir ajuda.

Não se exija demais!

Se quiser ir mais longe na sua carreira, ganhar mais e ter uma função de gestão e liderança, então terá de falar em público freqüentemente. No entanto, para que esta não seja uma tarefa que provoque stress e pânico é preciso conhecer as causas escondidas do stress e desconforto que a exposição pública possa causar. Pode até acontecer começar a gostar da experiência e se sinta cada vez mais confortável e realizado.

A primeira coisa que precisamos saber é que aprender como falar em público é uma característica que pode ser trabalhada na maioria das pessoas, claro que com maior ou menor dificuldade.

Haverá sempre pessoas que são melhores do que outras, como em qualquer atividade, mas para ninguém é impossível conseguir aprender como falar em público corretamente. Aliás, Um dos erros mais comuns é precisamente o da comparação com oradores brilhantes. São pessoas que sabem como falar em público de uma forma natural, que transparecem calma, alegria e que nos podem deixar com a auto estima em baixo se nos compararmos com eles.

Mas se pensarmos sempre assim então não faremos nada na vida, porque há sempre alguém que é muito melhor do que nós numa determinada área profissional ou social. Portanto, numa primeira etapa contente-se em ser apenas “razoável” e dar conta do recado, porque assim conseguirá afastar os medos de falar em público por cobrar-se menos.

Se quiser melhorar a partir daí então terá de treinar mais para níveis mais avançados. Normalmente, estes oradores profissionais são pessoas que têm milhares de horas de treino e de prática, mesmo assim pode apostar que no início a sua qualidade não era a que demonstram na atualidade. Por isso a regra é, praticar o mais que puder.

Quando falar em público, simplifique

Outro dos pensamentos errados que temos é achar que é necessário ser uma enciclopédia ambulante para saber como falar bem em público, só que isto está longe da verdade. É óbvio que o orador deve conhecer minimamente o assunto que terá de expor, aliás, de preferência ele deve conhecer melhor do que a sua audiência. Mas não é preciso fazer pesquisas extensas, coletando muito material para falar, pois a palestra pode tornar-se demasiado densa, longa e entediante. Procure tornar a informação o mais simples possível, para atingir o maior número de pessoas. Obviamente que isto não se aplica a apresentações formais e acadêmicas, que podem até precisar mesmo serem densas e longas, mas no geral “o menos é mais”.

Por falar nisto, lembre-se que seja lá o que for que aconteça durante sua apresentação, dificilmente conseguirá agradar a todos os ouvintes. A princípio isto não é importante, pois não é mesmo necessário e obrigatório agradar a todos, por melhor que seja um orador. Há sempre aqueles que vão embora mais cedo, que adormeça ou que não goste da forma como decorreu a apresentação. Por isso, evite cair no erro de falar em público com o propósito de agradar a todas as pessoas. O propósito de falar em público é passar a sua visão e conhecimento sobre determinado assunto, mesmo que seja contrário a algumas pessoas que o estão a ouvir.

Basta ver o exemplo na política, onde estão algumas das pessoas que melhor sabem como falar em público, sabendo de antemão que nunca conseguirão uma unanimidade de opiniões. Nunca houve nenhum político, por mais brilhante que fosse, que conseguisse ganhar as eleições com 100% de votos a favor e nenhum voto contra. Nestas horas é que vale nossa última dica:

Em público, use o humor e pratique a humildade

Todos os oradores têm estilos diferentes, mas existem dois fatores importantes quando se faz uma apresentação em público: humor e humildade. O humor é de explicação óbvia, porque todos nós gostamos de ser entretidos por alguém e rir é um dos melhores remédios. Tenha apenas o cuidado para não sair do seu contexto e tentar impressionar com técnicas que não domina. Se não costuma contar anedotas em particular, provavelmente não será bem-sucedido em público. Use o humor que costuma usar quando está com os seus amigos, mas evite outro erro comum: lembre-se de que o humor é circunscrito a determinado tipo de pessoas. Cada classe social, cada nacionalidade, cada cidade e até cada bairro têm um senso de humor próprio. O que fará morrer de rir um povo da periferia de uma grande cidade pode não ter nenhuma graça numa platéia de executivos de grandes empresas e vice-versa, assim como uma piada que é muito engraçada para um inglês provocará no máximo um riso amarelo de um brasileiro.

Quanto ao ser humilde, significa que não se deve tentar parecer um ser perfeito, até porque eles não existem. Conheça as suas limitações, e faça humor com as suas fraquezas, desde que isto não o deixe desconfortável. Tente mostrar que você é igual aos seus ouvintes,e que só está ali para discorrer sobre um assunto que você conhece um pouco mais do que eles ou que falará sobre uma experiência que só você teve. Esta humildade fará com que se crie um laço com a audiência que será benéfico para a sua apresentação.

Dicas recebidas de grandes oradores

A experiência é fundamental, e isto é válido para falar em público também. Pensando nisto, fomos coletando algumas dicas fornecidas por grandes oradores e professores em oratória, procure seguir a voz da experiência:
  1. Antes de mais anda, entenda sua platéria, que eles são, quais são suas necessidades. valores, medos e expectativas. Tente saber de antemão o quão dispostos eles estarão a escutar e se eles têm algum tipo de preconceito contra a maneira que alguém possa ter de se vestir.
  2. Inicialmente, use o humor para desarmar algum preconceito e estabelecer uma ligação. Procure mostrar que você sabe como eles estão se sentindo.
  3. Tente ser antenado com o nível emocional da sala. Coloque-se no papel correto, esteja você falando como convidado, chefe, homenageado, mestre de cerimônias, pai de família ou um líder religioso.
  4. Exponha porque você está lá, porque eles estão lá, e qual é a finalidade daquele evento.
  5. Escolha três coisas que você gostaria de abordar e explique um pouco do porquê daquelas idéias. Esta pode ser a coluna vertebral por traz da sua fala.
  6. Depois da exposição de cada item importante, traga à luz alguns argumentos que outros possam ter contra seus pontos, e tente refutar aqueles argumentos com uma lógica cristalina exposta com o devido respeito aos pensamentos alheios.
  7. Sempre que falar sobre aspectos teóricos ou filosóficos, tente trazer o assunto para algo bem real e do dia-a-dia da platéia. Não deixe tudo só no plano das idéias e dos ideais. Apresente alguma coisa indesejável que possa acontecer se não puser aquelas idéias em prática.
  8. Tente contar uma história, real ou fictícia, que ajude a esclarecer os pontos principais de uma tese. Mas seja claro e breve, ninguém tem muita paciência para histórias cumpridas e cheias de detalhes (a não ser, talvez, se você estiver falando para uma platéia estritamente feminina...)
  9. Empregue analogias e metáforas. Tente criar imagens com suas palavras.
  10. Vá usando tópicos para desenvolver sua fala. Vá pontuando que terminou determinada exposição e está começando outra.
  11. Tente usar o humor. Mas se não for capaz ou se sentir que não está agradando, é melhor esquecer este ponto.
  12. Durante a fala, altere a velocidade e a tonalidade de sua voz. Mire-se nos pastores evangélicos, eles têm uma longa tradição de boa oratória, analise como eles vão modulando sua fala de acordo com a importância ou a fase de cada trecho.
  13. Quando estiver frente a grandes platérias, movimente-se e olhe para todos os lados, eles precisam saber que você está falando com eles. Use seus braços, aponte para alguém na audiência para estabelecer um melhor contato. Use o contato visual, sorria, olhe nos olhos das pessoas.
  14. Certifique-se de que a acústica do ambiente é adequada, se tiver muito eco fale mais pausadamente, se as pessoas do “fundão” tiverem dificuldade em ouvi-lo, fale mais alto. Se for usar microfone, teste-o antes de iniciar sua apresentação, se preciso pergunte se todos o estão escutando bem.
  15. Se possível, treine sua fala antecipadamente, de preferência no mesmo auditório. Imagine que a platéia está à sua frente, mesmo que esteja apenas sua mulher e seu filho naquele momento.
  16. Entenda que você está ali num papel de servidor, ajudando a platéia a entender alguma coisa, e que você é um instrumento nas mãos da pessoa que o colocou ali, para atingir determinado propósito.
  17. Prepare um script da sua apresentação, com os principais pontos a serem abordados. Não adianta fazer longos textos, você não conseguirá lê-los sem tornar a palestra chata e monótona. Coloque apenas os tópicos sobre os quais vai discorrer, e se precisar de dados difíceis de memorizar, coloque-os num slide a ser apresentado no momento certo.
  18. Além de tudo isto, faça uma boa oração. Como sempre, você pode precisar da ajuda divina...
Aqui ficaram, portanto, algumas dicas para o ajudar a perder o medo de falar em público, mas sem dúvida que a melhor forma de aprender é treinar, use todas as oportunidades que lhe aparecerem. Em casa, com seus familiares, tome a palavra e discurse sobre algo que lhes queira transmitir. Quando está com amigos, pode também fazer uma apresentação espontânea sobre como correu o seu dia ou qualquer outro assunto que ache que pode ser interessante para eles. O importante é praticar em todas as oportunidades que encontrar, sem medo de errar mas procurando acertar.

Publicado em 16/09/2010 às 00:00 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 39 ARTIGOS SOBRE EXERCíCIO PROFISSIONAL:
O futuro dos técnicos de informática: adaptar-se ou desaparecer
Começar cedo na carreira de informática é sinal de competência?
Dúvidas sobre montagem de assistência técnica de informática
Cliente não deixa retirar computador para manutenção. E agora?
Cliente quer que o técnico faça coisas impossíveis. Como fica essa situação?
Como recolocar os programas que estavam no micro antes da formatação e reinstalação do Windows?
Qual é o valor da minha hora-técnica? Como calculo isso?
Dúvida sobre como cobrar trabalhos de informática feitos para pessoas físicas
Que dicas poderíamos dar para um técnico de informática iniciante?
Quanto cobrar para definir e instalar um novo servidor
Qual é o melhor curso: ciência da computação, sistemas de informação ou engenharia de computação?
O técnico deve cobrar taxa de visita? E como lidar com os clientes que não pagam?
Dicas para ter uma oficina de informática lucrativa
Com lidar com um chefe (ou cliente) chato?
Qual é a garantia que o técnico deve dar para troca de fonte e reformatação do HD?
O técnico de informática e a questão das cópias piratas de software
É melhor ser empregado ou ter o próprio negócio de informática ?
Férias? Oba, é hora de investir na carreira.
O Windows deveria ser banido dos concursos públicos em favor do Linux?
As coisas mudaram: pode parar de procurar “emprego”. E comece a procurar “clientes”!
As bogagens tecnológicas mais famosas... dos famosos
Quanto cobrar de mão-de-obra para migrar de Windows para Linux
Qual é a garantia da mão-de-obra para remoção de virus?
Quanto ganham os profissionais de informática na Grande São Paulo
Quer mudar de profissão? Cuidado com os enganos mais comuns!
Os maiores enganos cometidos pelos gerentes de informática
A recessão bateu na minha porta. Será a hora para mudar de emprego?
As 6 carreiras de TI mais promissoras para 2009 (e anos seguintes...)
Qual é o problema da informática nos concursos públicos?
Blu-ray está em queda livre. Como ficam os consumidores?
A questão da velocidade e performance dos discos rígidos
Windows versus Linux: mesmo Custo de Propriedade em países emergentes, segundo a Microsoft
Mãos a obra – crise é sinônimo de oportunidade
Emprego e carreira: curso técnico é o caminho mais curto para o sucesso
A questão do emprego versus faculdade versus sucesso profissional
Mercado de trabalho do profissional de TI é ruim?
Será que é justo o que estou ganhando aqui no Brasil? Veja uma pesquisa internacional de salários.
Construa sua Marca Pessoal! Seja diferente e fature com isto
A mudança na lei daria mais importância à profissão de técnico de informática?

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da informática e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: leitor@revistapnp.com.br
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.