[Revista PnP] Com lidar com um chefe (ou cliente) chato? 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco

Home   Edições impressas  
Edições digitais   CDs e DVDs  
Dicas técnicas   Como comprar  
Quer colaborar?   Sugira uma matéria  
Boletins   Como é feita a Revista PnP?  
Fale conosco   Serviços ao cliente  
Erratas   Sobre a Revista PnP...  
Perguntas mais frequentes (FAQ)  
Cursos e eventos  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre Exercício Profissional
Artigo (veja mais 39 artigos nesta área)

Com lidar com um chefe (ou cliente) chato?

Por Iberê M. Campos equipe


Seria ótimo se pudéssemos viver todos em harmonia, sem nada para perturbar nossas vidas ou nos impedir de atingir nossos objetivos, não é mesmo? Entretanto, no mundo competitivo em que vivemos isto está longe de ser verdade e assim torna-se oportuna a pergunta: o que fazer quando nosso chefe (ou cliente) começa a “pegar no nosso pé” ? É melhor pedir demissão logo para não ter que enfrentar aquela situação? Ou então seria melhor fechar a oficina ou não atender mais os telefonemas daquele cliente inoportuno? Nada disto, o jeito é enfrentar a situação, com classe e técnica. Acompanhe nossos pensamentos:

Já falamos em várias situações de “saia justa” na edição 17 da Revista PnP. Temos certeza de que muitos dos que leram o artigo “Técnico se mete em cada uma...” devem ter passado por situações parecidas. Nesse artigo da Revista PnP nº 17 falamos de situações tragicômicas, aquelas que seriam até engraçadas se não fossem trágicas.

Entretanto, existem situações reais do nosso dia-a-dia que ficam longe de serem engraçadas. Falemos agora da situação onde o chefe começa a pressionar um profissional de todas as formas possíveis – fica “pegando no pé”, como se diz popularmente.

Suponhamos que você está encarregado das vendas ou então das compras de determinada empresa. Só que seu chefe (ou cliente) fica pressionando a todo instante, exigindo mais e mais, ameaçando demiti-lo porque está insatisfeito com seu desempenho. Outra situação: você é um técnico de informática que trabalha por conta, e determinado cliente para o qual você faz serviços nunca se dá por satisfeito e fica exigindo uma porção de coisas que, segundo ele, fariam parte do serviço prestado mas que nada têm a ver com o contrato.

Estas são situações até normais no âmbito profissional e que poderiam ser resolvidas usando as ferramentas normais à este ambiente – diálogo, memorandos, reuniões, exposição de motivos e análise de documentos. Entretanto, se a questão não pôde ser resolvida assim e se prolonga demais, rumando para o lado pessoal, aí podemos desconfiar de que existem mais fatores envolvidos. Entre eles estão inveja, ciúmes ou até mesmo um certo interesse sexual. Pode também haver interesses inconfessos, tais como criar uma situação insustentável para o profissional, pressionando-o para incorrer em algum erro grave que o obrigue a pedir as contas ou a ser despedido. No caso de quem trabalha por conta, o cliente pode estar querendo obter uma vantagem injusta ou então, da mesma forma, pressionar o profissional para induzi-lo a algum erro que justifique uma quebra de contrato ou um ressarcimento monetário. Ou, então, quem sabe, tudo isto junto.

Eis aqui uma situação típica, que já vi diversas vezes: chega um chefe novo, que não conhece o serviço direito e muito menos os procedimentos e as pessoas que já estão no cargo há tempos. Por mais competente que seja este profissional, deveria primeiro adotar uma posição cautelosa. Estudar o ambiente, os objetivos daquele departamento, as pessoas que lá estão, como trabalham, quais são os procedimentos usuais e assim por diante, até estar certo de quais medidas devem ser tomadas e o porquê delas. Só dessa forma, com objetividade e justiça, vai conseguir o apoio e o respeito dos seus subordinados e poderá então implantar as medidas sem meter-se em confusão. Se não for assim começará a mostrar-se como um corpo estranho naquela equipe e seus subordinados começarão a sabotá-lo, até por falta de opção, pois precisam antes de mais nada cumprir suas tarefas e manter-se em seus cargos. Pior ainda será se o novo chefe, ainda pouco afeito ao cargo, começar a perseguir algum funcionário ou fornecedor, que poderá ser você.

Parece que ele fica o tempo todo analisando seus atos e recriminando-os, perante todo mundo, sem o menor respeito. Neste rumo, não estranhe se ele começar a fazer gozação pelo fato de você comer bolachas no meio do expediente ou de questionar sua maneira de vestir, seu time de futebol favorito ou até mesmo suas preferências sexuais. O que isto tem a ver com o serviço? Absolutamente nada. Porque ele faria isso? Para desestabilizá-lo emocionalmente. Para tirar seu foco do serviço e induzi-lo ao erro. Isto pode ser feito simplesmente pelo “prazer” de sentir-se superior ou, ainda, porque deseja que aquele cargo fique vago para poder então contratar algum protegido seu, alguém “conhecido, de inteira confiança”.

O que fazer numa situação destas? Se você pudesse pediria as contas (se fosse empregado) ou rescindiria o contrato (se trabalhasse por conta). Só que as coisas não são assim tão simples. Para começar, você provavelmente não pode perder aquele emprego (ou cliente) pois tem suas contas para pagar, e as elas vencem a cada mês. Isto é até compreensível mas existe outro aspecto, este de natureza psicológica: quando se “foge” de uma situação destas, por não conseguir enfrentá-la, haverá uma enorme chance de você defrontar-se novamente com aquela mesma situação no futuro. Mudam os personagens mas o problema continua. Como você não sabe resolver este tipo de coisa, parece até que você atrai aquele tipo de episódio para sua vida. Quem é que nunca escutou alguém dizer “estas coisas só acontecem comigo...”? E é isso mesmo, elas voltam a acontecer devido à sua incompetência em lidar com aquela situação. É como se diz, “lição não aprendida, lição repetida”.

O jeito então é ficar firme no posto e enfrentar a situação, ou seja, o tal chefe ou cliente “chato”. Como proceder? Para começar, mude sua cabeça. Ao invés de pensar “xi, lá vem aquele chato” pense “oba, lá vem um cara bacana, que vai me ensinar a ser melhor, o que será que posso fazer por ele?”. Procure pontos positivos naquela pessoa e comece a admirá-los, ou seja, concentre-se nas qualidades e não nos defeitos. Procure entender os motivos das cobranças e tente atender as demandas. Se não conseguir, evite ficar justificando sua falha e comece a procurar abertamente soluções alternativas para o serviço que não pôde ser feito, mesmo não achando que ele fosse assim tão necessário.

Tudo isto é difícil, sem dúvida, mas é justamente este o seu aprendizado. Mude a imagem interna que tem em relação àquela pessoa, procure admirá-la e entendê-la e manifeste isto abertamente, mas sem virar um “puxa-saco”.

Acabará ficando surpreso em ver como o tratamento destinado a você vai mudar. Ah sim, e fuja das questões pessoais. Quando a conversa mudar para este lado mude o assunto, falando sobre algo que efetivamente diga respeito ao serviço ou, se não puder, finja que não escutou. Em momentos assim, lembre-se de que é melhor ouvir certas bobagens do que ser surdo, não é mesmo?

Publicado em 24/06/2010 às 00:00 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 39 ARTIGOS SOBRE EXERCíCIO PROFISSIONAL:
O futuro dos técnicos de informática: adaptar-se ou desaparecer
Começar cedo na carreira de informática é sinal de competência?
Dúvidas sobre montagem de assistência técnica de informática
Cliente não deixa retirar computador para manutenção. E agora?
Cliente quer que o técnico faça coisas impossíveis. Como fica essa situação?
Como recolocar os programas que estavam no micro antes da formatação e reinstalação do Windows?
Qual é o valor da minha hora-técnica? Como calculo isso?
Dúvida sobre como cobrar trabalhos de informática feitos para pessoas físicas
Que dicas poderíamos dar para um técnico de informática iniciante?
Quanto cobrar para definir e instalar um novo servidor
Qual é o melhor curso: ciência da computação, sistemas de informação ou engenharia de computação?
O técnico deve cobrar taxa de visita? E como lidar com os clientes que não pagam?
Supere a dificuldade de falar em público
Dicas para ter uma oficina de informática lucrativa
Qual é a garantia que o técnico deve dar para troca de fonte e reformatação do HD?
O técnico de informática e a questão das cópias piratas de software
É melhor ser empregado ou ter o próprio negócio de informática ?
Férias? Oba, é hora de investir na carreira.
O Windows deveria ser banido dos concursos públicos em favor do Linux?
As coisas mudaram: pode parar de procurar “emprego”. E comece a procurar “clientes”!
As bogagens tecnológicas mais famosas... dos famosos
Quanto cobrar de mão-de-obra para migrar de Windows para Linux
Qual é a garantia da mão-de-obra para remoção de virus?
Quanto ganham os profissionais de informática na Grande São Paulo
Quer mudar de profissão? Cuidado com os enganos mais comuns!
Os maiores enganos cometidos pelos gerentes de informática
A recessão bateu na minha porta. Será a hora para mudar de emprego?
As 6 carreiras de TI mais promissoras para 2009 (e anos seguintes...)
Qual é o problema da informática nos concursos públicos?
Blu-ray está em queda livre. Como ficam os consumidores?
A questão da velocidade e performance dos discos rígidos
Windows versus Linux: mesmo Custo de Propriedade em países emergentes, segundo a Microsoft
Mãos a obra – crise é sinônimo de oportunidade
Emprego e carreira: curso técnico é o caminho mais curto para o sucesso
A questão do emprego versus faculdade versus sucesso profissional
Mercado de trabalho do profissional de TI é ruim?
Será que é justo o que estou ganhando aqui no Brasil? Veja uma pesquisa internacional de salários.
Construa sua Marca Pessoal! Seja diferente e fature com isto
A mudança na lei daria mais importância à profissão de técnico de informática?

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da informática e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: leitor@revistapnp.com.br
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.