[Revista PnP] Como e porque a Apple torna seus produtos caros e difíceis de reparar. O que significa para nós, técnicos e consumidores? 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco

Home   Edições impressas  
Edições digitais   CDs e DVDs  
Dicas técnicas   Como comprar  
Quer colaborar?   Sugira uma matéria  
Boletins   Como é feita a Revista PnP?  
Fale conosco   Serviços ao cliente  
Erratas   Sobre a Revista PnP...  
Perguntas mais frequentes (FAQ)  
Cursos e eventos  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre Hardware
Artigo (veja mais 49 artigos nesta área)

Como e porque a Apple torna seus produtos caros e difíceis de reparar. O que significa para nós, técnicos e consumidores?


Nos últimos 6 anos a Apple deixou de ser um fabricante elitista (porém importante) de computadores, para criar e dominar todo um mercado de massa, dos smartphones e tablets, com seus iPhones e iPads. Para estas novas linhas, a empresa vem atraindo muitas críticas por fabricar dispositivos que são difíceis de consertar e de difícil reciclagem. Porque e como isso acontece? Em que isto afeta a vida dos técnicos de manutenção e dos próprios consumidores?

Na Revista PnP nº 27 publicamos o artigo “Manutenção de notebooks, tablets e smartphones: o que precisa para ganhar dinheiro neste mercado?”. Neste artigo, comentamos um pouco da história dos técnicos de eletrônica e informática nos últimos 30 anos e a partir daí procuramos prever como será o futuro destas duas profissões. Um dos fatores citados é a maneira como a tecnologia de construção dos aparelhos vem evoluindo, e a história da Apple e de seus iPhones e iPads nos dá boas pistas de como as coisas estão se direcionando.

A Apple foi criada em uma garagem, e de lá conquistou o mundo dos negócios e um lugar definitivo no coração de seus fãs. Uma vez que a pessoa tenha sido cativada pelo “mundo Apple” dificilmente conseguirá olhar para os produtos dos concorrentes com os mesmos olhos. Prova disto são as enormes filas de consumidores que passam madrugadas só para adquirir – e pagar caro – um produto qualquer da marca que esteja sendo lançado.

Apesar desta legião de fãs incondicionais, a empresa tem atraído muitas críticas ao fazer dispositivos difíceis de consertar e de reciclar. O conserto deste tipo de aparelho pode ser até relevado em países ricos, mas nestes a reciclagem dos materiais é mandatória, enquanto que nos países pobres é o contrário, ou seja, a reciclagem não é assim tão levada em conta, mas o reparo dos aparelhos deveria ser mais simples, devido ao menor poder aquisitivo da população.

Um dos maiores críticos às políticas de projeto e manutenção da Apple é a empresa iFixIT (www.ifixit.com) que é especializada em fazer consertos e vender peças e ferramentas para esta finalidade, estando nesta atividade desde 2006. A empresa já desmontou e analisou centenas de produtos e deve saber muito bem do que está falando.

Isto posto, vem a pergunta inevitável: “certo, mas que tipo de coisa exatamente a Apple está fazendo para tornar seus produtos assim tão difíceis de serem reparados?” Separamos alguns exemplos, publicados em sites internacionais, com imagens fornecidas gentilmente pela própria iFixt, vejamos:

Peças presas com adesivo dificultam visualização e remoção
A iFixit teve que ser criativa para conseguir desmontar os aparelhos da Apple, como o iPad4 e o iPad mini, de forma a não quebrar a delicada tela LCD. Começa pela abertura inicial do equipamento (foto acima, esquerda) que é muito mais delicada do que abrir um notebook comum. Depois que se ganha acesso ao interior do equipamento, resta tentar descolar as peças, o que é muito arriscado pelo risco de quebrar alguma das delicadas peças. Para soldar as colas, a iFixit acabou inventando um pequeno dispositivo que denominaram “iOpener”, termo que podemos traduzir livremente como “iAbridor”, ou seja, “abridor de coisas da linha i da Apple”. Trata-se de um pequeno saco (vide foto acima, a direita) que contêm uma substância passível de ser esquentada num forno de microondas. Este saco é colocado junto aos componentes colados, e é esquentado por cerca de 30 minutos no microondas até que a cola fique amolecida e os componentes possam ser separados. Talvez poderiam conseguir esta separação usando pistolas de ar quente, usadas para reparação em eletrônica, mas eles são especialistas no assunto e devem ter tido bons motivos para inventar o “iOpener”.




Parafusos pequenos (na verdade, minúsculos) e em formatos proprietários
Quando a Apple não está usando parafusos extremamente pequenos, volta-se para o uso de formatos proprietários, criados por eles mesmos. A Apple não se limita a miniaturizar os aparelhos, mas também gosta de diminuir o tamanho dos parafusos e travas. O Ipad mini, por exemplo, é fechado com alguns dos menores parafusos já vistos pela iFixit. A imagem acima à esquerda mostra dois parafusos: o maior foi retirado da parte de baixo de um iPhone 5, e o menor foi retirado de dentro do iPad mini. Para efeito de demonstrar a ordem de grande dos tamanhos relativos, a foto acima à esquerda foi tirada em cima de uma palheta usada para tocar violões, guitarras e outros instrumentos de corda.
Como se não bastasse, ambos os parafusos são especiais, usando um formato proprietário. Por isso, necessitam de chaves especiais para prender e soltar como, por exemplo, a chave de fenda denominada “pentalobe”, usada para os parafusos achados na linha MacBook e iPhone (vide foto acima, à direita, e foto abaixo, à esquerda).


Componentes proprietários
Este é um recurso que a Apple usa deste seus primeiros modelos de computador, ou seja, usar componentes desenvolvidos e fabricados especialmente para a empresa. Verdade seja dita, outros grandes fabricantes como HP, Lenovo e Dell também fazem isso, mas no caso da Apple estes componentes são usados até mesmo quando não haveria necessidade, pois existem componentes de linha que poderiam perfeitamente servir. Um bom exemplo disto são os parafusos com cabeça “pentalobe” (foto acima, à esquerda) que são minúsculos, facílimos de perder ao desmontar o aparelho e que necessitam de uma chave de fenda especial. Outro exemplo da filosofia da Apple: a maioria dos notebooks de outros fabricantes, até mesmo os modelos mais novos, que usam discos de estado sólido (SSD), podem facilmente terem um upgrade feito até mesmo pelo usário. Mas esse não é o caso da linha MacBook Pro da Apple, que usa um disco rígido em formato proprietário, visto na foto acima, à direita. Por que isso? Não seria possível fazer um design que utilizasse um HD comum, de linha? É muito provável que sim, e só uma meia dúzia de pessoas da Apple é que poderiam explicar porque optaram por um formato proprietário até mesmo em um item tão corriqueiro como um HD.


Memórias RAM soldadas na placa-mãe
Os novos notebooks MacBook Pro trazem chips de memória RAM soldados diretamente na placa-mãe, tornando impossível fazer qualquer tipo de upgrade de memória e dificultando bastante qualquer manutenção. Isto parece ser um reclado muito alto e claro, ou seja, “este aparelho não é para ser alterado, use-o como é ou então compre outro se não estiver satisfeito”.




Displays fundidos e em peça única Outro truquezinho usado pela Apple para dificultar a pesquisa e manutenção em seus aparelhos é fundir as partes do mostrador (display) em um único bloco, tornando impossível sua reparação. Se alguma coisa dentro do display se quebrar (vide foto acima, esquerda) a unidade teria que ser trocada como um todo, o que é economicamente inviável e acaba condenando o aparelho à sucata. Em aparelhos de outras marcas, um reparo desse tipo seria simples e barato, mas a Apple gosta deste tipo de dificuldade... porque será?
Uma possível resposta à essa pergunta é que a Apple quer tornar seus iPads e iPhones o tão finos quanto possível e por isso prefere fundir o vidro frontal, o digitalizador do display e o próprio display LCD em um componente único, tornando os consertos difíceis, caros e inviáveis.


Baterias e contatos soldados
A Apple não se contenta em colar as baterias no lugar, mas também solda os contatos na placa-mãe, tornando a troca de baterias uma operação difícil, cara e freqüentemente inviável, pelo risco de tornar o aparelho totalmente inoperante. Uma troca de baterias feita na rede autorizada da empresa pode ficar tão cara que é melhor comprar um aparelho novo... Certo, mas não seria justamente esta a idéia? Fora isso, os cabos também seguem a mesma filosofia de componentes soldados na placa lógica. Na 7ª geração do iPad Nano, por exemplo, a bateria, o conector de iluminação, o botão do cabo e o plug do fone de ouvido vêm soldados na placa lógica, novamente tornando cara e difícil sua substituição.


Conectores soldados na placa lógica
Fora as baterias e cabos, a Apple deve considerar que os conectores dos cabos flat usam “muito” espaço do exíguo interior dos aparelhos da Apple, que vem cada vez mais optando por soldar os cabos flat diretamente na placa-mãe, sem conectores como manda a boa norma dos aparelhos feitos para serem consertados quando for preciso. O fato dos cabos serem soldados diretamente na placa significa que se houver algum problema com o cabo ou com seu conector, a placa como um todo precisará ser substituída, aumentando desnecessariamente o custo da reparação.

A pergunta que não calar, portanto, é porque a empresa usa tantos componentes proprietários e dificulta ao máximo a manutenção de seus aparelhos. A resposta óbvia é que a empresa não quer que seus equipamentos sejam consertados. Justiça seja feita, componentes colados e cabos soldados diretamente na placa-mãe tornam o aparelho mais robusto e durável, porém às custas de uma manutenção cara, quando necessária, mesmo considerando-se os altos preços cobrados pela Apple. Pois é, não é à toa que a Apple tem mais de 100 bilhões de dólares em dinheiro vivo depositado em suas contas. Só para se ter uma idéia do que significa este montante, basta dizer que a dívida externa do Brasil no final de 2011 era de US$ 300 bilhões, e podemos também lembrar que o fabricante italiano de automóveis Fiat pagou US$ 7,6 bilhões em 2011 para adquirir a Chrysler, uma das maiores montadoras de automóveis do mundo.

O que isso significa para os técnicos?

Do ponto de vista dos técnicos de reparação em eletrônica e informática, esta postura da Apple tem diversas consequências. É claro que não é só a Apple que segue esta estratégia, muitos outros fabricantes acabam seguindo a mesma trilha, até porque compartilham os mesmos fornecedores e tecnologias similares, mas o caso da Apple é emblemático e demonstra bem o que vem acontecendo.

Para começar, demonstra como os aparelhos eletrônicos são cada vez mais considerados bens descartáveis, não sujeitos a manutenções. É o caso típico dos celulares, quando quebra o usuário joga fora e compra um novo, com mais recursos e financiado em muitas prestações. O técnico que se propõe a consertar um aparelho eletrônico moderno vai deparar-se com aparelhos difíceis de abrir, que utilizam muitos componentes proprietários e difíceis de conseguir, montagens tão minúsculas que só mesmo com uma boa lente de aumento se consegue trabalhar...

O diagnóstico também é difícil, pois os circuitos são muito elaborados e têm muitas interconexões. Isto dificulta a análise do circuito por blocos, como se fazia antigamente nos aparelhos como televisores e aparelhos de som, era simples isolar um bloco do circuito e determinar se ele estava ou não defeituoso, depois era só reparar o que estivesse estragado e pronto, aparelho funcionando. Hoje em dia isso é praticamente impossível, pois os aparelhos são PCs em miniatura onde o hardware interage com o software e com as configurações feitas pelo usuário, ou seja, existem muito mais variáveis a ser consideradas.

Em termos práticos, o que temos é o seguinte: os aparelhos são difíceis de reparar, demandando muitas horas de trabalho. O técnico precisa atualizar-se e pesquisar cada vez mais, para manter-se a par do que acontece no mundo da eletrônica e da informática, e consequentemente sua hora técnica acaba sendo mais cara, até porque a formação de um técnico hoje demanda muito mais anos de estudo e prática do que há 10 ou 20 anos atrás. Assim, nesta combinação de preço alto e muitas horas trabalhadas em cada aparelho tem-se como resultado o fato dos consertos frequentemente ficarem mais caros do que o preço de um aparelho novo. E como os técnicos de manutenção vão sobreviver nesse mercado? Bem, o que podemos dizer no momento é que este é um dos assuntos que estudamos na Revista PnP...

Publicado em 03/11/2012 às 00:00 hs, atualizado em 02/06/2013 às 00:00 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

NOSSOS LEITORES JÁ FIZERAM 1 COMENTÁRIO sobre este artigo:
De: M_Silvino (em 16/06/2013 às 22:23 hs)
Bons produtos não precisam de manutenção ,,,
Produtos como os da Apple são fabricados para serem pequenos, eficientes e não necessitar de manutenção corretiva durante sua vida útil. Ao contrário dos produtos de tecnologia ultrapassada e qualidade questionável. São produtos caros, para pessoas de poder aquisitivo elevado e, repito, são produtos para serem usados e não para serem consertados.

Comente você também:

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 49 ARTIGOS SOBRE MARCELO SILVINO DE OLIVEIRA:
O firmware do sistema não preserva o mapa de memória quando o PC entra em hibernação
Seria possível ter virtualização via hardware num notebook?
Desempenho de vídeo onboard das placas-mãe socket 1155 e 1366 é melhor do que placas off-board?
Manutenção de computadores all-in-one: fácil ou difícil?
Não encontra driver de áudio para placa-mãe ASUS antiga. E agora?
Micro com Athlon fica esquentando e reinicializa
Substituição de cooler de notebook Positivo SIM+ é difícil?
HDs da Seagate fazendo barulho. Precisa trocar?
Notebook com 6 GB só aparece com 2 GB no Windows Ultimate 64 bits
Smart apresentou mensagem de erro. Devo substituir o HD?
Dúvidas em relação a upgrade de notebook HP
O que fazer quando bateria de um notebook se esgota?
Notebook com processador Core i7 é bom? Porque micro CCE é tão barato?
Seria preciso atualizar o BIOS até mesmo antes de montar o processador na placa-mãe?
Quanto um processador de 2 núcleos é mais rápido que outro de apenas 1 núcleo?
Dados do HD ficaram corrompidos. E agora?
Quais são as tensões mínimas e máximas para ligar um computador?
Os computadores no formato tablet vão matar os netbooks? Acho que não...
É fácil instalar o Windows num micro da Apple?
Upgrade de processador requer também a troca da placa-mãe?
Notebook não volta a funcionar depois que entra em hibernação
Imagem aparece borrada em monitor ou TV LCD usada como monitor de micro
Como saber se uma placa-mãe (motherboard) está mesmo queimada?
Prós e contras dos computadores no formato “tablet” (igual ao iPad da Apple)
Qual é mais rápido, notebook ou micro desktop ?
Notebook ou micro desktop PC, qual é o melhor para comprar?
Porque os HDs de 2 TB (ou mais) não são reconhecidos? Qual é o problema com eles?
O que devo observar ao escolher uma placa de vídeo para compra?
A questão do consumo de energia dos computadores e monitores
Quando, porque e como atualizar o BIOS do computador?
Tela de notebook não liga, mas LED e botão liga-desliga estão acendendo
Tem como trocar a placa de vídeo de um notebook para rodar melhor os jogos?
Qual a melhor interface para HD externo? USB, Firewire ou e-SATA?
Pode um aparelho “módulo isolador” substituir o fio terra nos computadores?
Erro de “DVD protegido” ao importar filme gerado pelo Pinnacle Studio
Os problemas dos pendrives: perda de dados e falsificação
Tela de notebook não liga, mas LED e botão liga-desliga estão acendendo
Plugues e tomadas terão novo padrão a partir de 2010
Drives COMBO dão mesmo muito problema? Ou será lenda?
Qual a diferença entre “Dual Core” e “Core 2 Duo”
Ao ligar micro ele desliga, fica alguns segundos parado e depois liga novamente
Mentiras e verdades sobre as baterias dos notebooks e celulares
Dispositivos USB não são detectados ou param de funcionar
Qual é a diferença entre Cluster e RAID ?
Google revela os segredos do hardware dos seus servidores
PC trava ao salvar arquivos
Nova linha da Intel baeada no núcleo “Nehalem” será denominada Core i7
ASUS revela linha de computadores-conceito feitos de bambu
Qual é a placa-mãe dos micros HP Pavillion ?
Lavar as mãos ou tocar no gabinete elimina eletricidade estática nos micros?

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da informática e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: leitor@revistapnp.com.br
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.