[Revista PnP] Procedimentos errados no cabeamento de rede com par trançado 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco

Home   Edições impressas  
Edições digitais   CDs e DVDs  
Dicas técnicas   Como comprar  
Quer colaborar?   Sugira uma matéria  
Boletins   Como é feita a Revista PnP?  
Fale conosco   Serviços ao cliente  
Erratas   Sobre a Revista PnP...  
Perguntas mais frequentes (FAQ)  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre Redes Locais
Artigo (veja mais 82 artigos nesta área)

Procedimentos errados no cabeamento de rede com par trançado


Os cabinhos azuis usados nas redes locais estão por todo lado, e hoje em dia qualquer garoto sabe montar um cabo destes, certo? Errado. Apesar de sua aparente simplicidade, estes cabos são produto de muita tecnologia e de décadas de aperfeiçoamento para atingir altas taxas de transmissão. Com a banalização deste componente tão importante surgiram também alguns erros típicos que podem prejudicar a confiabilidade e durabilidade dos cabos e conectores. Estudemos este assunto:

Os cabos de rede local mais comuns hoje em dia são aqueles chamados de “par trançado não blindado”, geralmente na cor azul ou cinza claro. Eles costumam ser chamados por sua abreviação em inglês, “UTP”, termo que é uma abreviação de “Unshielded Twisted Pair”. Este tipo de cabo, mostrado na figura à esquerda, é um dos fatores que possibilitaram a simplificação do processo de implantar uma infra-estrutura de rede local de computadores.

Devido à sua natureza de interligar ponto a ponto, o cabo UTP facilitou não apenas a instalação mas também a manutenção das redes. Com ele ficou fácil diagnosticar problemas referentes ao cabeamento pois é possível isolar cada um dos segmento das redes, já que cada um deles conecta uma estação da rede a um equipamento ativo (switch ou roteador). Basta ir testando segmento por segmento até achar o “culpado”. Além disso, se um determinado computador não está conseguindo se conectar a rede por causa do cabeamento, o problema fica restrito aquele segmento de cabo que o interliga a um outro dispositivo ativo.

O cabo UTP é de fácil conectorização e baixo custo de aquisição, se comparado às outras opções como os cabos blindados e a fibra ótica. Em relação às redes wireless, tão comuns atualmente, o cabo de par trançado oferece mais estabilidade e velocidades muito maiores (até 10 Gbps).

Porém, a aparente simplicidade dos cabos UTP esconde a necessidade de que tenhamos cuidados básicos na sua implantação. O que mostraremos aqui são os erros e enganos mais comuns cometidos na instalação de cabos UTP e o que isso pode acarretar.

Erro nº 1 — Fio rígido versus flexível

Os fios que constituem um cabo par trançado podem ser do tipo rígido ou do tipo retorcido. O tipo retorcido, também chamado de flexível, é formado pelo entrelaçamento de vários fios bem finos. Enquanto isso, tipo rígido é constituído de um único fio. Outra característica que diferencia os dois tipos é que o rígido é mais sensível a deformações mecânicas.

Um teste simples que podemos fazer para verificar a diferença de flexibilidade é pegarmos um cabo par trançado com fios rígidos e forçarmos uma curvatura nele com a própria mão. O cabo irá manter a curvatura mesmo após pararmos de forçá-lo (figura ao lado). O mesmo irá acontecer se o cabo for esmagado, esticado ou pressionado.

Certo, mas o que tem de errado nisso? Como a maioria dos cabos UTP possui fios do tipo rígido devemos tomar alguns cuidados quando fizermos o seu lançamento nas estruturas de passagem. Além disso, muitos instaladores, por economia, compram os fios mais baratos que encontram e estes geralmente são ainda mais rígidos e de material vagabundo, o que aumenta mais ainda as chances de ocorrerem problemas.

Erro nº 2 — Cabo esmagado

É muito comum vermos cabos sendo esmagados por terem sido instalados sem uma estrutura de passagem adequada. Na figura ao lado vemos um cabo sendo pressionado pela esquadria de uma janela de vidro. Neste caso, a falta de planejamento de uma passagem de cabo de um andar para o outro gerou este problema.

A solução foi passar o cabo pela janela. Como a sala tem ar condicionado, a janela tem que permanecer fechada, por isso o cabo permanece sempre pressionado. Este procedimento faz com que, neste ponto, o cabo sofra alterações nas suas características físicas (deformação mecânica) e elétricas (problemas de diferença de impedância). Isto causará um aumento de problemas como perda de retorno (“return loss”) e atenuação (perda de inserção). O adequado nestes casos é planejar e providenciar uma estrutura de passagem entre os andares.

Erro nº 3 — Cabo passando numa área de circulação

O computador mudou de lugar e logo alguém tem aquela bela idéia de passar o cabo cruzando a área de circulação de pessoas. Na figura à esquerda temos um caso típico. Para “organizar” o cabeamento é usada fita crepe. Perceba que ao lado outro cabo passa sem ter o mesmo “cuidado”. Este erro tem dois problemas bem fáceis de perceber. Primeiro o cabo vai ser constantemente pisoteado, e além disso as pessoas que circulam nesta área correm o risco de tropeçar no cabo e cair, mesmo com a “providencial” fita crepe.

O que conduz a esta prática errada é a falta de planejamento de pontos de rede que atendam toda a área de trabalho. É comum, por exemplo, termos pontos somente em uma das paredes de uma sala. Um belo dia alguém resolve mudar o layout da sala, com isso os computadores agora estão próximos das paredes que não tem pontos. Desta forma faz-se cabos maiores e esses são passados pelo chão para atender estes computadores. Vale aqui o mesmo que foi dito sobre cabo esmagado: as características físicas e elétricas do cabo serão afetados e o sinal de rede que é transportado pelo cabo sofrerá mais interferências.

Erro nº 4 — Cabo passando sem proteção em área externa

Este problema muitas vezes está associado ao problema de cabo esmagado pela esquadria da janela. Os incautos passam cabos pelo lado externo da edificação sem nenhuma proteção contra a ação da chuva e do sol. A princípio não existe problema em passar um cabo pelo lado externo da edificação, desde que haja uma estrutura de passagem adequada. Porém, o que vemos são cabos passados de qualquer jeito e sem nenhuma proteção. . O que vai acontecer com estes cabos é um ressecamento prematuro da capa pela ação do tempo.

Se precisarmos passar um cabo pelo lado externo o correto é fazer uma estrutura de passagem que providencie uma saída organizada dos cabos e um caminho até a sua entrada novamente na edificação. No exemplo da figura ao lado vemos que os cabos saem pelas frestas da janela e seguem sem proteção pelo lado de fora do prédio. Novamente o que motiva este erro de instalação é a falta de planejamento de passagem de cabos entre andares ou até mesmo entre salas de uma edificação.

Erro nº 5 — A questão da vaselina, detergente, talco...

Este problema também está ligado à questão do esticamento e da falta de planejamento. Como a maioria das edificações foi feita sem pensar nos cabos de rede, estes precisam passar por qualquer eletroduto ou buraquinho disponível. Freqüentemente passam junto com a fiação de telefone ou antena de TV ou até, infelizmente, junto da própria fiação elétrica.

O simples fato do cabo de rede passar junto com estes outros dispositivos não significa necessariamente um problema, pois a própria construção do cabo e o arranjo elétrico dos sinais foi todo projetado justamente para diminuir a interferência que possa ser gerada pelos campos eletromagnéticos que são gerados por diversos dispositivos e cabeamentos. O grande problema de aproveitar estas passagens para o cabeamento de rede é que existem curvas e eletrodutos inadequados para ele, até porque os eletrodutos já devem estar lotados e o cabo de rede tem que passar “espremido” no meio dos outros.

Isto leva o instalador a colocar bastante força para conseguir passar o cabo de rede, o que pode danificar sua estrutura mecânica. Isto causa perda de sinal e pode deixar a rede com funcionamento intermitente, devido a algum componente interno danificado.

Alguns instaladores passam vaselina ou detergente para diminuir a força necessária para puxar os cabos de rede pelos eletrodutos, mas esta prática é bastante discutível. A vaselina e o detergente são componentes químicos que podem reagir com o isolamento do cabo, novamente diminuindo sua eficiência e durabilidade. O ideal seria passar algum componente neutro como, por exemplo, grafite em pó ou produtos adequados para condutores elétricos.

Erro nº 6 — Cabo muito esticado

Um erro comum encontrado nas instalações de cabeamento é achar que cabo “organizado é cabo esticado”. O esticamento acima de certo limite gera deformações mecânicas que causam problemas para a passagem do sinal de rede. Um cabo esticado sofrerá deformações pois será pressionado contra quinas e curvas das estruturas de passagem. Além disto cabos esticados na área de trabalho vão forçar as conectorizações e acabam gerando problemas de mau contato elétrico. Na figura a direita vemos um exemplo de cabeamento bem feito. O cabo não está esticado e está bem organizado na caixa de passagem.

Erro nº 7 — A questão da “sobra técnica”

Outro equívoco cometido em algumas instalações é apelidado de “sobra técnica”. O que é isso? Com receio de que o cabo não alcance a estação após uma mudança de lay-out, o instalador deixa uma sobra de cabo. Na figura ao lado vemos um exemplo deste problema. O que motiva a deixar este resto de cabo é, novamente, o velho problema da falta de um projeto de infra-estrutura de cabeamento. O correto é projetar e instalar diversos pontos de rede na área de trabalho. Caso um computador precise mudar de posição ele será atendido por outro ponto de rede.

Ao invés de deixar os cabos pendurados, o certo é utilizar um conector adequado em cada tomada de parede, e ligar o computador a este conector usando um “Patch Cord”. Este é um cabo de rede que usa o mesmo tipo de par trançado, só que é feito de materiais especiais que o tornam bem flexível e maleável e muito menos sujeito a se danificar.

Em suma...

O objetivo deste artigo não é criticar o trabalho de nenhum instalador de cabeamento. Sabemos que muitos destes problemas surgem da correria do cotidiano e da necessidade de sanar falhas de projeto, mas precisamos saber as implicações que estes procedimentos podem gerar. E precisamos também cada vez mais buscarmos nos qualificar para melhor prestarmos nossos serviços.

Talvez você se interesse também pelos seguintes artigos publicados sobre redes locais e internet na Revista PnP:

Publicado em 06/08/2009 às 00:00 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

NOSSOS LEITORES JÁ FIZERAM 1 COMENTÁRIO sobre este artigo:
De: luizernestovaz (em 12/08/2009 às 08:23 hs)
Cabos UTP
Muito bom artigo, chegou em boa hora para relembrar algumas coisas básicas sobre a passagem de cabos.

Comente você também:

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 82 ARTIGOS SOBRE LUIZ ERNESTO VAZ:
Micro tem 16 GB de memória RAM mas mesmo assim está lento
Como montar duas redes separadas que acessem um mesmo servidor e a mesma conexão de internet?
Qual a maneira mais simples de ter acesso a arquivos de um computador que fica em outro local?
RAID via software no Windows fica melhor com overclock ou underclock?
Rede wireless instável. Será culpa do roteador ou da concessionária de banda larga?
Rede wireless não conecta no cliente, mas funciona normal na oficina
Notebook não entra em outra rede wireless que não aquela onde ele foi configurado
Pode ter mais de um servidor DHCP na mesma rede?
Instalação de rede em residência com vários computadores, qual é a melhor solução?
Cliente fica trocando o cabo dos micros e a internet pára. Mas será que é isso mesmo?
Dúvidas na instalação de roteador em conexão de internet via rádio da Neovia
Rede com roteadores D-link e Linksys interligados perde conexão
Internet de rede wireless com roteador D-link e Speedy fica caindo o tempo todo
Dúvidas comuns em relação às redes Windows: compartilhamento, direitos de acesso e outros
Notebook Itautec não consegue entrar na rede wireless
Trocou roteador por outro wireless e agora não consegue compartilhar a impressora
Um determinado notebook não entra na rede wireless, sendo que os demais funcionam normalmente
Conexão de internet fica caindo a toda hora numa conexão compartilhada com ICS
Cabo muito longo ou deteriorado pode causar perda de conexão na rede local. Mas como saber?
Modem de banda larga: é melhor comprar ou alugar da concessionária?
Restringindo o acesso a internet para certas estações da rede
Acabando com o limite de 10 usuários simultâneos na rede do Windows XP
Transformar smartphone ou notebook com 3G num Hot Spot (roteador wireless)
10 dicas para melhorar o sinal e o alcance de uma rede wireless
Será que o roteador BrazilFW é seguro contra as invasões?
Socorro, os arquivos do meu micro estão aparecendo para todos na internet!
Controle de banda de internet para os usuários em conexão compartilhada
Micros ficam o tempo todo saindo da rede
Problema na lan house: alguém está roubando as senhas do Orkut e MSN
Como compartilhar conexão de internet 3G via modem USB ?
Interligar lugares distantes: melhor usar VPN ou Wi-Fi ?
Como interligar pela rede wireless dois micros distantes 80 metros
É possível restringir o acesso a MSN, Orkut e Youtube?
Roteador Linux BrazilFW versus Mikrotik. Qual é o melhor?
Lan house: melhor usar conexão PPPoE ou IP Fixo?
Como conectar os micros da rede local à internet?
Conexão de Internet via rádio em condomínio pode ser roteada?
Servidor não acessa a Internet através de um roteador D-Link
Rede parou de funcionar ao trocar Hub de 10 Mbps por Switch de 100 Mbps
Qual é o melhor cabo para rede local, CAT5 ou CAT6? Como escolher?
Como interligar dois micros distantes com uma rede wireless
Aprovada distribuição de internet e TV por assinatura pela rede de energia elétrica
Será possível montar uma rede na rua, entre vizinhos?
Comprar roteador pronto ou fazer você mesmo?
Pontos importantes para comprar um roteador wireless
O que são as portas WAN e Uplink e para que elas servem
Qual é a diferença entre hub, switch, roteador e access point?
9 motivos porque as redes wireless apresentam problemas
Quais são as vantagens e desvantagens das redes Wi-Fi (wireless)?
Rede Novell é boa ou ruim? Seria uma boa oportunidade de carreira?
Será que colocando um switch melhor a internet ficará mais rápida?
É possível ter dois gateways com o “Compatilhamento de internet” (ICS) do Windows?
Software gratuito para substituir o compartilhamento de internet do Windows (ICS)
Micro conecta na internet, mas não consegue navegar
Porque o acesso a internet inibe a rede local ?
Porque uma banda larga de 256 Kbps tem apenas 32 KBps ?
Como testar o funcionamento de uma rede?
Como desabilitar o login e senha da rede Microsoft
Desabilite as pastas ZIP do WinXP
Arquivo de resposta do Windows XP
Sumiu a opção de Arquivo>Novo>Pasta no Windows Explorer
Windows XP desliga sozinho quando conecta na Internet
Windows XP fica reiniciando direto
RAID no Windows 2003
XP desliga sozinho quando se conecta na Internet
Estação ME não enxerga servidor com Windows XP
Porque não tem o MSCONFIG no 2000? Será que dá para colocar?
Usuários da rede não conseguem fazer logon e enxergar os recursos compartilhados no Windows XP
Como adicionar mais uma placa de rede no NT4
Cuidado! Windows NT é exigente com as memórias RAM
Windows 2000 e programas DOS
Instalacao do Windows NT é dificil
O que é um produto OEM ?
Como melhorar o desempenho do Windows NT 4 Server
CD-KEY na instalação automática do Windows 2000
Como gravar CDs e DVDs a partir da imagem ISO
Exibição automática de unidades de rede no XP
Problemas no desligamento do Windows 98
Como conectar um Macintosh numa rede com micros Windows?
Roteador BrazilFW Linux interfere na rede interna?
Porque que a velocidade da banda larga não chega ao que nos prometem?
O que é preciso para montar uma rede caseira com dois micros?

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da informática e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: leitor@revistapnp.com.br
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.