[Revista PnP] Conheça o Goobuntu, o desktop Ubuntu Linux usado internamente pelo Google 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco

Home   Edições impressas  
Edições digitais   CDs e DVDs  
Dicas técnicas   Como comprar  
Quer colaborar?   Sugira uma matéria  
Boletins   Como é feita a Revista PnP?  
Fale conosco   Serviços ao cliente  
Erratas   Sobre a Revista PnP...  
Perguntas mais frequentes (FAQ)  
Cursos e eventos  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre Linux
Artigo mais recente (veja mais 18 artigos nesta área)

Conheça o Goobuntu, o desktop Ubuntu Linux usado internamente pelo Google

Por Iberê M. Campos equipe


O famoso site norte-americano ZDNET, especializado em tecnologia publicou em 12 de dezembro de 2013 o resumo de uma palestra feita por Thomas Bushnell durante a LinuxCon, conferência técnica anual da Fundação Linux. Bushnell é o líder do grupo técnico que gerencia e distribui o Linux para os computadores desktops corporativos do Google, e ele revelou o real uso do Linux dentro dos sistemas do Google. Publicamos aqui os principais pontos da conferência, para que se possa ter uma idéia da importância que o Linux ganhou no mundo corporativo, dada a importância que o Google tem na vida de todos. Acompanhe:

Durante mais de 10 anos ouvimos dizer que o Linux poderia um dia dominar o mercado de sistemas operacionais. Mas isto não nos parecia ser coisa factível, dada a ampla dominação que o Windows sempre manteve durante décadas. Mas hoje, quando os dispositivos portáteis como os tablets e smartphones já respondem pela maioria dos acessos à internet, nota-se que o Android dominou a cena, seguido de perto pelo iOS da Apple, usado nos iPhones e iPads. Bem, o Android é derivado do Linux e o iOS também foi construído a partir do Unix, que foi o “pai” do Linux e do Android. Finalmente podemos, portanto, dizer que os sistemas baseados em Linux/Unix dominaram o mercado. Afinal de contas, o Android e o iOS são uma espécie de irmãos.

Entretanto, o Linux ainda não dominou o ambiente corporativo, onde os micros com Windows continua sendo a maior parte, notadamente pelo onipresente Microsoft Office, que virou o padrão de arquivos e de requisito básico para contratação de funcionários. Mas o Google, como bom defensor das tecnologias livres e abertas que sempre foi, vem dando o exemplo de como o Linux pode ser uma ótima solução também no mundo corporativo, ao adotar o Ubuntu Linux como o sistema operacional padrão não só em seus micros desktop mas também em seus servidores.

A maioria das pessoas do mundo Linux sabe que o Google usa Linux em seus computadores, e que no caso dos micros de mesa a distribuição usada pelo Google foi apelidada de “Goobuntu”, junção de Google com Ubuntu. Mas quase ninguém fora do Google sabia exatamente o que estava nele ou que papéis o Ubuntu Linux desempenhava no campus do Google, pelo menos até 29 de agosto, quando Thomas Bushnell, o líder técnico do grupo que gerencia e distribui Linux para desktops corporativos do Google, revelou o exato papel que o Goobuntu desempenha na empresa e como isto é feito.

A primeira pergunta que pode nos vir à mente é se nós, pobres mortais, também podemos utilizar o Goobuntu. A resposta pode ser SIM ou NÃO, porque segundo Bushnell “o Goobuntu é simplesmente uma pele bem fina colocada sobre o padrão do Ubuntu.” Detalhando mais, é o seguinte: o Google usa a versão LTS do Ubuntu, abreviação de Long Term Support (Suporte de Longa Duração), e não a versão normal, que sai a cada 6 meses. Isso significa que se você baixar uma cópia da última versão do Ubuntu (que no momento, é a 12.04.3) você estaria, para fins mais práticos, executando o Goobuntu praticamente igual ao que o Google usa internamente.

Mas porque o Google usa as versões LTS, e não a versão mais nova disponibilizada pela Canonical, empresa que desenvolve o Ubuntu? É simples, ocorre que a versão LTS é atualizada a cada dois anos, dando tempo para implantar o sistema e esperar que os usuários se adaptem a ele. Fora isto, o Google costuma atualizar e substituir o hardware de seus computadores também a cada 2 anos, aproximadamente, sendo que então este cronograma está adequado para a empresa.

Uma das perguntas que foram feitas a Bushnell é porque escolheram o Ubuntu, ao invés de utilizar Apple MacIntosh ou PCs com Windows? A resposta: “Bem, você pode executar o que bem desejar. Os funcionários do Google são convidados a utilizar as ferramentas que funcionem melhor para eles [...] Se o Gmail não quer trabalhar para eles eles podem usar Pine (um cliente de e-mail do início do Unix, baseado em caracteres) se isso for melhor. As pessoas não são obrigadas a usar o Ubuntu, mas o uso Goobuntu é incentivado e todas as nossas ferramentas de desenvolvimento são para Ubuntu.”

Segundo ele, “o Windows é mais difícil porque ele tem problemas especiais de segurança, para o que ele requer permissão de alto nível (administrador) antes que alguém possa usá-lo. Além disso,as ferramentas do Windows tendem a ser pesadas e inflexíveis.”

Dito isso, Bushnell foi perguntado por que escolheram o Ubuntu ao invés de outras distribuições Linux famosas como Fedora ou openSUSE. Ele respondeu que “escolhemos o Debian (que é a origem do Ubuntu) porque os pacotes de instalação APT estão anos-luz à frente dos instaladores RPM (sistema da Red Hat e SUSE). E por que o Ubuntu sobre as outras distribuições Linux baseadas em Debian? “Porque a cadência de lançamento é incrível e a Canonical (controladora do Ubuntu) oferece um bom suporte.”

É interessante ressaltar que o Google não é só um mero usuário do Ubuntu, mas contribui ativamente para o seu desenvolvimento, pois o Google é cliente do programa de apoio Advantage Ubuntu da Canonical. Chris Kenyon , que é vice-presidente de Vendas e Desenvolvimento de Negócios da Canonical, esteve presente na mesma conferência, confirmou isso mas acrescentou que “o Google não é o nosso maior cliente de desktop de negócios”.

A dúvida então recaiu sobre o ambiente de trabalho utilizado. A questão é pertinente porque o Ubuntu adotou como interface padrão aquela denominada “Unity”, que parece uma junção do desktop do Mac com o do Windows 7. Perguntarm se todos os funcionários estavam obrigados a utilizar o Unity, desktop popular mas controversa do Ubuntu. A resposta foi que “Não. Alguns usam GNOME, alguns usam o KDE, outros usam o X-Window e X-Term. Alguns querem Unity porque os faz lembrar do Mac. Vemos amantes do Mac mudar para o Unity. Não há nenhuma interface Goobuntu padrão e obrigatória”.

Com certeza, a opção do Google pelo Ubuntu tem muito peso. Significa “dezenas de milhares de usuários Goobuntu. Isto inclui designers gráficos, engenheiros, gerentes e vendedores. É uma comunidade muito diversificada. Alguns, como Ken Thompson, ajudaram a criar o Unix e alguns não sabem nada sobre computadores, exceto como usar os seus aplicativos”.

Para gerenciar todos esses desktops Goobuntu, o Google utiliza as ferramentas de administração do ambiente de trabalho APT e PUPPET. Segundo o entrevistado, isto dá à equipe de gerenciamento de desktop do Google o poder de controlar rapidamente e gerenciar seus computadores. Isso é importante porque “uma única reinicialização pode nos custar um milhão de dólares...”

Isto significa que, mesmo com o Linux, podem ocorrer problemas nos computadores. Conforme dito por Bushnell, “a esperança não é uma estratégia. A maioria das pessoas esperam que as coisas não falhem. Isto é ruim, você vai morrer um dia, o seu PC irá travar um dia... Você tem que projetar para o fracasso.”

O Google tem requisitos de segurança muito rigorosos. Como Bushnell observa, “o Google é um alvo. Todo mundo quer nos invadir”. Assim, alguns programas que fazem parte da distribuição Ubuntu são banidos por serem considerados como potenciais riscos de segurança. Isto inclui qualquer programa “que chama de casa para um servidor externo. Por isso o Google usa sua própria solução proprietária de autenticação de usuários da rede interna, por isso é que o Google está elevando o estado da arte em termos de autenticação de rede, porque temos uma meta de segurança de alto nível”.

Juntando tudo o que foi dito, ou seja, a necessidade de segurança topo de linha, a necessidade de PCs com alta performance e flexibilidade para atender às necessidades tanto dos gênios desenvolvedores assim como aos representantes de vendas recém-contratados, e não é à toa que o Google adotou o Ubuntu como o seu sistema operacional para micros desktop. Citando Bushnell: “seríamos tolos se usássemos qualquer outra coisa que não fosse o Linux”. É claro que faltou dizer que, em especial para o Google, o Linux é um software gratuito e altamente modificável, de forma a atender às necessidades da empresa. Mesmo considerando os milhões de dólares que o Google deve pagar para a Canonical desenvolver e manter o Ubuntu, muito provavelmente deve gastar menos do que se tivesse que pagar à Apple e à Microsoft para utilizar seus sistemas operacionais. De mais a mais, estas duas empresas são as principais competidoras da Google, e ficaria fácil demais para estas empresas embutir em seus sistemas operacionais pequenos detalhes que permitiram espionar toda a operação do Google, o que nem de longe seria admissível...

Quem tiver curiosidade de conhecer o artigo original (em inglês) por ver direto no site da ZDnet.

Publicado em 12/12/2013 às 00:00 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

NOSSOS LEITORES JÁ FIZERAM 1 COMENTÁRIO sobre este artigo:
De: Wanderson (em 13/12/2013 às 14:07 hs)
Goobuntu é só mais um nome.
Isso mesmo é só mais um nome dado a distribuição da canonical, mas com pitadas de modificações que só a Google sabe colocar e na porção certa para que não fique nada exagerado, mantendo a simplicidade do ubuntu somados a alta segurança da empresa, é por isso que ainda um dia será iminente o domínio do LINUX sob os demais O.S. System.

Comente você também:

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 18 ARTIGOS SOBRE WANDERSON:
Não consegue fazer backup dos emails do Outlook 2007, recebe mensagem de que o arquivo está corrompido
Como reformatar tablet ou smartphone com Android?
Emulador Wine de Windows para Linux
Instalação de programas no Linux é diferente de como se faz no Windows
Os erros mais comuns dos novatos em Linux
Dual Boot com Windows 7 e Ubuntu
Problema: Ubuntu Linux não inicializa pelo LiveCD
Controlador de domínio com Linux. Será possível?
Configurar internet via radio no Ubuntu Linux
Lançado o Ubuntu 9.04 “Jaunty Jackalope”
Problema ao instalar o Ubuntu 8.04 no Windows
Lançado o Ubuntu Linux 8.04 LTS Hardy Heron
Impressora matricial Epson LX300 não imprime em rede
Gravador de CDs não reconhece mídia de música com 80 minutos
Como adicionar uma segunda saída paralela de impressora (LPT2)
Modem para linha discada não funciona no XP
Falta de Aterramento dificultava funcionamento de modem comum para linha discada
Programa que resseta cartuchos de impresoras Epson
Problemas na segurança da rede de um condomínio. Todo mundo se enxerga!
Rede local fica lenta ao consultar dados usando um programa feito em COBOL

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da informática e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: leitor@revistapnp.com.br
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.