[Revista PnP] Devemos nos preocupar com vírus nos smartphones e tablets? 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco

Home   Edições impressas  
Edições digitais   CDs e DVDs  
Dicas técnicas   Como comprar  
Quer colaborar?   Sugira uma matéria  
Boletins   Como é feita a Revista PnP?  
Fale conosco   Serviços ao cliente  
Erratas   Sobre a Revista PnP...  
Perguntas mais frequentes (FAQ)  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre Periféricos
Artigo (veja mais 8 artigos nesta área)

Devemos nos preocupar com vírus nos smartphones e tablets?


Smartphones e computadores no formato “tablet” passaram a fazer parte do dia-a-dia de muita gente para suas tarefas cotidianas como surfar na internet, ler e mandar emails, acessar sua conta no banco, digitar textos e assistir vídeos. Poucos se dão conta de que estes dispositivos são computadores e, como tal, estão também sujeitos aos vírus, trojans e worms que pululam na internet.

Considerando que estes dispositivos, em geral, não usam Windows mas sistemas operacionais com base Linux ou em programas proprietários, será que os usuários de dispositivos móveis deveriam preocupar-se com a segurança de seus dados ao manuseá-los nestes telefones sofisticados? Será que os malfeitores de plantão não utilizam destas conexões móveis para roubar números de cartão de crédito e senhas?

Os problemas de segurança nos smartphones e tablets ainda não são lá muito comuns, mas devemos nos preparar para o pior. Existem boas e reais chances de um smartphone ou tablet ser infectado por um programa malicioso que pode causar diversos tipos de danos. É preciso entender que estes dispositivos portáteis são computadores antes de serem um telefone um reprodutor de mídia. Eles têm hardware e software em todos os sentidos, quer dizer que existe um sistema operacional, uma interface gráfica e aplicativos residentes ou instaláveis pelo usuário, além dos arquivos e bancos de dados que conterão as informações do usuário. Além de tudo isto, um smartphone armazena as chamadas feitas ou recebidas, cópias dos recados de voz e de texto, detalhes dos contatos do usuário do aparelho e têm acesso permanente á internet, e tudo isto sem qualquer software de segurança como um antivírus, anti-spyware ou pelo menos um firewall. É uma mina de ouro para os malfeitores cibernéticos, que só recentemente começaram a explorar este filão de ouro para eles.

Felizmente, já começaram a aparecer estes softwares de segurança para dispositivos móveis. Há várias opções, indo desde assinaturas pagas do McAfee até alternativas gratuitas como o SmartGuard. O que atrapalha o desenvolvimento é que existem vários sistemas operacionais, e o software de segurança precisa ser desenvolvido para cada um deles especificamente.

O iPhone e o iPad são considerados os mais seguros, parcialmente porque a Apple testa todos os aplicativos antes deles poderem ser baixados e instalados. Entretanto, mesmo assim já houve ataques a esta plataforma também, como um ataque que ocorria quando o usuário visitava sites montados especificamente para usar uma brecha na segurança, que ocorreu em 2007. Muita gente confia cegamente na segurança do iPhone, mas quem usa um iPhone hackeado para usar outras operadoras ou para instalar softwares não autorizados pela Apple podem ter surpresas por vários motivos. Para começar, perde-se a proteção paternal da Apple, que não mais vai escanear os arquivos. Além disto, o iPhone passa a não mais detalhar as permissões que foram concedidas a um aplicativo durante sua instalação, que é um recurso que os smartphones baseados em Android oferecem. Para completar, os iPhones hackeados são altamente suscetíveis a ameaças de alto risco e grande impacto, como o worm que rouba os dados do usuário e permite acesso total ao hacker que pode assim assumir o controle do iPhone.

Em resumo, o fato é que os smartphones podem sim trazer brechas fatais de segurança. O iPhone original ainda é o mais seguro smartphone, mas os com base no Android são seguros pois é um sistema moderno, enquanto que o Simbian da Nokia é relativamente seguro pois tem cada vez menos usuários e os malfeitores querem um público que seja o mais amplo possível. Assim, seja qual for o smartphone ou tablet que se use, é preciso muita vigilância sobre como usar o aparelho, sobre quais aplicativos se instala, e se possivel use um software de segurança que inclua um firewall e proteção contra vírus e spywares, ou seja... smartphones e tablets são como qualquer outro computador. Sabendo usar, não vai faltar...



Publicado em 08/02/2011 às 00:00 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 8 ARTIGOS SOBRE PERIFéRICOS:
A importância do ar condicionado na informática: muito além do ar fresco
Impressora HP wireless não aparece na rede do Windows, como fazer para imprimir?
Qual compressor de ar se usa para limpeza em computadores e informática em geral?
Windows não reconhece mouse USB, mas ele está bom. Porque isso acontece?
Porque o nobreak não está conseguindo manter o PC ligado quando acaba a luz?
Monitor/TV fica sem som quando ligado pelo cabo HDMI
Quero proteger meu PC: é melhor usar um nobreak ou ligar direto na tomada?
Problemas na recarga de cartuchos multifuncional Lexmark
Formatos de mídia de CDs e DVDs graváveis e regraváveis
Será que monitor LCD é bom?
Escolhendo monitores: plasma, LCD ou CRT?

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da informática e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: leitor@revistapnp.com.br
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.